Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Gata Christie



Segunda-feira, 11.11.13

Contar com os outros

Uma das lições que tenho vindo a aprender com isto tudo é a contar com os outros. Há momentos em que é preciso olhar para o que temos e admitir que sozinhos não somos capazes. Para mim isso foi difícil. Não era bem uma questão de orgulho, era só que não estava habituada a depender de outras pessoas ou sequer a pedir favores. Havia sempre uma maneira de resolver. Até ao dia em que não há maneira. E de repente dou por mim a perguntar quem é que pode dar uma boleia para os miúdos irem às festas de anos. Mais do que uma vez. Ou a tentar perceber quem é que pode ficar com eles uma noite para eu não falhar o aniversário de um amigo. Mais do que uma vez. Ou a mandar mensagens para arranjar companhia para o fim-de-semana. Ou a pedir asilo nas férias. Ou a pedir aos pais que me salvem nos dias em que tenho horários malucos no trabalho. Ou a pedir à mana que ature os meus no fim-de-semana em que estou de serviço. Ou a pedir a um colega que troque o horário por causa de um jogo de futebol. Vendo bem, isto não é drama nenhum. Como me dizia noutro dia o meu amigo João Miguel, que tempos estes em que vivemos em que as pessoas têm vergonha de pedir ajuda aos avós ou aos tios aos padrinhos, em que a família deixou de ser o suporte óbvio que antes era e passou a ser aquelas pessoas que convidamos para os casamentos e aniversários e depois nunca mais vemos. Algo está errado, não é? Afinal, a família também serve para isto. Para ajudar. Para estar lá quando é preciso. Não é por acaso que se costuma dizer que é necessária uma aldeia para educar uma criança. Pode não ser exactamente necessária uma aldeia. Mas temos a família e temos os amigos. E se convém não abusar da generosidade alheia (e é importante perceber quando as pessoas dizem "se precisares de alguma coisa" e estão a ser sinceras ou só estão a ser educadas) também convém não ficarmos enfiados no nosso canto à espera que os outros adivinhem do que é que precisamos. Até porque na maior partes das vezes não adivinham. É uma aprendizagem. Mas tem valido a pena. Para além da ajuda que agradeço do fundo do coração também há os laços que se apertam, que se retomam, que se descobrem. Juntos somos sempre melhores. Mil obrigados por tudo. Sem vocês não seria possível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 12:22


1 comentário

De PO a 13.11.2013 às 21:53

Like!

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog