Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Gata Christie


Sexta-feira, 15.09.17

Abrir mais portas

uss.jpg 

Lista dos filmes que os miúdos viram em duas semanas de praia (e eu também, quase todos ou pelo menos bocados):

- Um polícia no jardim-escola (1990), de Ivan Reitman, com Arnold Shwarzenegger

- Alta Golpada (2011), de Brett Ratner, com Ben Stiller

- Mestres da Ilusão (2013), de Louis Leterrier, com Mark Rufallo e Jesse Eisenberg

- Jack Reacher: Nunca voltes atrás (2016), de Edward Zwick, com Tom Cruise

- USS Indianapolis: Homens de coragem (2016), de Mario Van Peebles, com Nicolas Cage (na foto em cima)

- Assassin's Creed (2016), de Justin Kurzel, com Michael Fassbender

- Porquê ele? (2016), de John Hamburg, com James Franco

- Power Rangers (2017), de Dean Israelite.

- Rei Artur: A Lenda da Espada (2017), de Guy Ritchie, com Jude Law

- A Grande Muralha (2017), de Yimou Zhang, com Matt Damon

Os três primeiros já tinham sido vistos (são DVD que estão no Algarve, assim como o Avatar que não vimos desta vez mas que nos últimos anos já foi visto uma meia dúzia de vezes). Os outros filmes levei-os eu, em versão pirata.

Olhando para esta lista até eu me surpreendo: é isto que dou aos meus filhos para eles verem?

Mas deixem-me explicar-vos. Há um ano, mais coisa menos coisa, reparei que o António, na altura com 12 anos, não via filmes. Via os desenhos animados e as séries tontas do nickelodeon, com o irmão, e daí tinha passado diretamente para os youtubers parvos. E fiquei preocupada. Quando eu era desta idade só tínhamos dois canais de televisão e não tínhamos hipótese: víamos o que estava a dar, incluindo muitos filmes, dos westerns aos musicais, passando pelas comédias, os filmes românticos, os policiais. Às vezes nem gostávamos muito, mas acabávamos por vê-los, por falta de opção. Os miúdos hoje têm muitas opções, muitos canais de televisão e ainda o telemóvel e o tablet e, por isso, só vêem o que querem ver, o que já conhecem, o que os cativa nos primeiros cinco minutos. Decidi, então, que me cabia a mim incentivá-lo a ver filmes. Claro que a diferença de idades entre eles é um problema e há um ano o Pedro ainda tinha alguma dificuldade em acompanhar as legendas. Além disso, como não queria que o momento se tornasse uma obrigação mas fosse, antes, um divertimento em família, começámos por coisas simples (os "regresso ao futuro", "a jóia do nilo", os "goonies", esse tipo de coisas), acompanhadas de pipocas nas noites de sexta-feira. A evolução neste ano foi enorme. O António já não resmunga (muito) quando o mando desligar o telefone para ver um filme e já confia mais nas minhas escolhas. O Pedro já lê legendas na perfeição (fomos ver o Gru na versão original) e até já vai ao cinema ver "filmes de crescidos".

De crescidos, isto é, filmes de aventuras e de acção. Não será exactamente a nouvelle vague mas será certamente melhor do que os thundermans e afins. Mas é um caminho que está a ser feito e não é preciso ter pressa nem saltar etapas. Acredito que havemos de lá chegar.

Por exemplo. Ao contrário do que acontecia há um ano, neste momento o António já consegue ver filmes que não sejam só de acção. Já aguenta bem uma comédia (como o Porquê ele?, que ele viu sentindo-se muito crescido) ou filmes que nos fazem pensar um bocadinho (comoveu-se a ver o USS Indianapolis, tal como se tinha comovido a ver o Capitão Fantástico há uns tempos, e ambos deram grandes conversas aqui em casa). E o caminho do Pedro também tem sido muito engraçado: ele quer ver tudo o que o irmão vê e fica muito atento, mesmo quando admite que não está a perceber nada. Às vezes, até me preocupo um pouco por ele ter 9 anos e estar a ver filmes que são para 12 ou 14 anos. O que mostra bem como isto de educar os filhos é tão complicado e como, apesar dos nossos esforços, nunca conseguimos educar duas crianças exactamente da mesma maneira.

Eu sei que isto parece uma coisa de nada e sei também que há de haver por aí miúdos muito mais à frente do que os meus. Mas é como vos digo. É um caminho. E cada pessoa tem de fazer o seu. Eu limito-me a abrir-lhes portas (sempre). São portas pequenas, sim, mas que, espero, conduzam a salas grandes, com outras portas e outros caminhos possíveis. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 15:19

Quinta-feira, 14.09.17

Então e essas férias?

Tenho uma vaga memória de que foram boas. Depois de oito dias seguidos a trabalhar, incluindo o fim-de-semana e um piquete nocturno, com menos um dente do siso na boca e ainda a tentar organizar-me com os novos horários e as novas rotinas, ao nono dia tenho finalmente uma folga em que prevejo passar um belo tempo no supermercado a aproveitar os 15% de desconto em cartão, levar o António a uma consulta à hora do almoço e terminar o dia com a reunião de pais na escola do Pedro. E ainda tenho uma entrevista para transcrever e transformar em 4300 caracteres de texto até amanhã. Ai, setembro, setembro, se não fosse sempre assim nem teria graça, pois não?

DSC_1230.JPG

DSC_1211.JPG

DSC_1256.JPG

As férias foram bem boas, só para que fique registado. Foi a vez em que passámos mais tempo os três sozinhos e mais tempo no mesmo sítio. Sem stresses. Eles crescem e estão felizes. O resto, como diria o outro, é "peaners".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Gata às 10:02

Segunda-feira, 11.09.17

Alô, senhor ministro da educação?

Uma pessoa começa o ano lectivo com a melhor das boas vontades. Nestes primeiros dias somos só sorrisos e abraços. Aqui está um ano novo pronto a usar, completamente em branco, que pode mesmo vir a ser fantástico. É desta que nos vamos organizar, acordar com o primeiro toque do despertador, fazer a comida de véspera e só coisas saudáveis, ter calma e não gritar com os putos. É desta que eles vão estudar todos os dias e trabalhar como deve ser, vão portar-se bem nas aulas e estar com atenção, prometemos, mãe. Uma pessoa começa a tentar organizar os dias em função dos horários, mesmo que sejam horários maus, ora vamos lá ver, os treinos, a bateria, será que conseguimos encaixar a piscina?, fazemos aqui um esforço suplementar na terça-feira, o que dizem?, isto vai exigir um bocadinho mais de organização da vossa parte, conseguimos? conseguimos, somos determinados e estamos optimistas, vai correr tudo bem. Eis se não quando... espera lá, não era este governo da geringonça que tinha prometido diminuir o número de alunos das turmas? (este artigo tem bastante informação sobre este assunto) Então o que é isto?

32. 

Trinta e dois. 

32.png 

32 miúdos de 13 anos encafuados numa sala. Tem tudo para correr bem, não tem?

Nem sei se isto será legal.

E ainda é só o começo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Gata às 22:23

Domingo, 10.09.17

Só para concluir (ou talvez não)

1. Não, não tenho nada contra raparigas que se vestem de princesas. Não acho que se deva proibir os rapazes de brincar com carrinhos. Não me parece mal que as meninas tenham bonecos. Não quero obrigar os meninos as vestirem saias. Não temos que andar todos vestidos de amarelo e só brincar com legos.

O que eu defendo é exactamente o oposto, percebem? Que não haja proibições, nem obrigações, nem letreiros que digam para menino e para menina, nem secções todas de azul e outras todas de cor-de-rosa, nem gente a dizer "isso não é para ti". O que eu defendo é a liberdade para cada criança (e depois cada jovem e cada adulto) poder escolher o que quer para si, sem se preocupar com os rótulos. Terminar com essa divisão que é completamente artificial de que há coisas para rapazes e coisas para raparigas, coisas para homens e coisas para mulheres. Não há. Não são as coisas que têm género, são as pessoas. Há coisas para pessoas e as pessoas são todas diferentes por isso vamos deixá-las escolher o que querem. E até podem querer coisas diferentes em momentos diferentes, por isso em vez de compartimentar vamos dar-lhes diversidade e permitir-lhes experimentar de tudo. 

Só para defender esta liberdade individual já valeria a pena debater este assunto. Mas há mais.

2. Esta divisão, aparentemente inócua, entre meninas e meninos, entre o cor-de-rosa e o azul, entre as bonecas e os carrinhos, entre as princesas e os heróis de acção, é uma das faces de uma educação baseada em estereótipos de género. Estamos a dizer-lhes: as meninas são delicadas, cuidam da casa e dos bebés, preocupam-se com vestidos e sapatos, os rapazes são fortes, aventureiros, ganham dinheiro e fazem o mundo girar. Na prática, nós sabemos, é cada vez menos assim. Felizmente, as últimas décadas têm sido de grandes mudanças. Para as raparigas que estão a ganhar cada vez mais mundo e mais liberdade. Para os homens que descobriram que ser pai é mais do que trazer um ordenado ao final do mês. Mas tem sido uma luta, uma luta árdua. E que ainda não acabou. Há um longo caminho por andar - as diferenças salariais e as estatísticas da representatividade em lugares de topo são o lado visível de uma discriminação que ainda se sente, e muito, na nossa sociedade. Há mais estatísticas por aí - do tempo que homens e mulheres ocupam com tarefas domésticas, das licenças de parentalidade, dos homens e mulheres que optam por trabalhar em casa para dar assistência à família, da quantidade de homens e mulheres em determinadas profissões. E depois há tudo o resto (toda a pressão social, as expectativas familiares, os comentários maldosos que se ouvem na rua, os títulos do jornais, aquela sensação de inadequação porque não correspondemos às expectativas, tudo isso) que escapa à estatística. O preço a pagar por esta igualdade-que-ainda-não-o-é ainda é muito alto, para mulheres e para homens. Sim, ainda há muito por fazer. Além de que o país não é só Lisboa, tal como o mundo não é só a Europa e a América.

E podemos começar por coisas tão simples como esta: não dizer a um rapaz que não pode pintar as unhas porque isso é coisa de meninas (o que é que isto tem a ver com aquilo? tudo).

 

 

Muito foi dito e escrito sobre este assunto nos últimos tempos, fiquei na dúvida se valeria a pena vir aqui dizer, mais uma vez, aquilo que penso. Mas, sabem, de cada vez que ouço alguém a dizer "tu também brincaste com bonecas e agora és uma mulher determinada e com cabeça" sinto que essa pessoa nem sequer se deu ao trabalho de tentar perceber o que estamos a dizer. E isso, ao mesmo tempo que me entristece e quase me leva a desistir, obriga-me a voltar ao assunto. As vezes que forem necessárias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 15:28

Terça-feira, 05.09.17

Sou como sou

Isto é tão bonito que até me emocionei na primeira vez que vi este vídeo:

 Je suis comme je suis
Je suis faite comme ça
Quand j’ai envie de rire
Oui je ris aux éclats
J’aime celui qui m’aime
Est-ce ma faute à moi
Si ce n’est pas le même
Que j’aime chaque fois
Je suis comme je suis
Je suis faite comme ça
Que voulez-vous de plus
Que voulez-vous de moi

Je suis faite pour plaire
Et n’y puis rien changer
Mes talons sont trop hauts
Ma taille trop cambrée
Mes seins beaucoup trop durs
Et mes yeux trop cernés
Et puis après
Qu’est-ce que ça peut vous faire
Je suis comme je suis
Je plais à qui je plais

Qu’est-ce que ça peut vous faire
Ce qui m’est arrivé
Oui j’ai aimé quelqu’un
Oui quelqu’un m’a aimée
Comme les enfants qui s’aiment
Simplement savent aimer
Aimer aimer…
Pourquoi me questionner
Je suis là pour vous plaire
Et n’y puis rien changer.

O filme foi realizado por Marion Auvin em 2014. O poema de Jacques Prévert (1900-1977) é uma ode à liberdade. Pode ter interpretações mais ou menos sexuais, para mim é apenas isto: não estar dependente da aprovação dos outros para viver a nossa vida. Estou sempre a voltar a isto. A lutar pela liberdade de sermos o que queremos ser, sem temer o juízo dos outros. É impossível, eu sei. Mas é mais uma luta a juntar a outras lutas pessoais e quotidianas. E é mesmo isto que me apetece dizer-vos neste momento em que nos preparamos para mais um

bom ano novo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Gata às 09:58

Segunda-feira, 04.09.17

Devagar

keep-calm-back-to-life-back-to-reality.png

(acabei de ligar o computador, depois de mais de duas semanas off. já há roupa no estendal. os putos estão a matar saudades da playstation. temos uma lista de compras gigante. hoje já haverá treino de futebol. as férias estão a acabar. mas devagar, ok?)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Gata às 10:45

Quinta-feira, 17.08.17

O boss

Perdi a conta aos meses que demorei a ler a autobiografia de Bruce Springsteen. Acontece que deixei de andar de transportes públicos e era aí, nas viagens de metro ou enquanto esperava pelo autocarro, que eu mais lia. E, o que é pior, eu não deixei de andar de transportes para andar de carro, não, eu passei a andar a pé. Ora o livro do Bruce é um belo calhamaço, não é um daqueles livros que se carregue facilmente numa mochila um dia inteiro, por isso ficava sempre em casa. Para ler à noitzzzzzzzzz. Enfim. Só agora, nestes meses de "férias" (dos putos), quando a nossa rotina abrandou, é que consegui ter realmente tempo para ler sentada no sofá. E lá acabei as 570 páginas.

Maluquinha por biografias como sou, é claro que gostei. Sabia muito pouco da vida do Bruce Springsteen, como aliás sei muito pouco da sua música. Nunca foi um dos meus músicos preferidos, é um daqueles que tenho vindo a descobrir nos últimos anos e que me foi conquistando mais até pelas suas atitudes, pelas suas palavras, pela sua energia, e daí para a música. Neste livro, ele conta com muitos pormenores toda a sua infância, as memórias da família, as primeiras experiências na música. E depois vai intercalando a vida pessoal com a música e os discos. A casa no campo, os filhos, aprender a andar a cavalo, a alegria de estar em cima do palco, o dia em que entrou no estúdio dos Rolling Stones para cantar ao lado de Mick Jagger. E fala muito da depressão - de como a doença o tem afectado ao longo da vida, algo que eu nem sequer imaginava. É muito bom quando se lê uma uma autobiografia e se sente que a pessoa está a ser honesta, não é preciso que nos conte tudo, tudo da sua vida, basta que seja honesta e que se perceba que aquela é a sua voz (e não de um ghostwriter qualquer).

springsteen.jpg

 Ainda assim, duas notas:

1) um bocadinho de edição não faria mal nenhum neste livro (não sei se é defeito profissional, mas acho sempre que a maioria dos livros só teria a ganhar se houvesse alguém que cortasse todas as repetições e tornasse tudo mais conciso);

2) ainda não foi desta que consegui ler um livro traduzido como deve ser. É inacreditável a quantidade de más traduções que existem por aí, a quantidade de frases mal construídas, de coisas sem sentido que se lêem em livros de todas as editoras (até mesmo das boas editoras). Complica-me muito com os nervos e tenho a certeza que este é o principal motivo porque leio pouquíssimos livros traduzidos. Uma pessoa está a ler um Paul Auster ou um Hemingway e não dá para acreditar que eles tenham escrito assim. Às vezes basta uma palavra errada no meio de uma frase para ter vontade de pôr o livro de lado. Como, por exemplo, aqui, a palavra "letras":

20170817_092710.jpg

Eu sei que parece uma coisa de nada mas isto repetido ao longo de um livro pode mesmo afastar um leitor. E seria uma pena, porque aqui ele está a falar de uma música lindíssima e que, já agora, fala desta América racista que não pára de nos surpreender:

"American Skin"

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 08:59

Domingo, 13.08.17

Um motivo para acreditar

Sábado. Saí de casa com notícias sobre a possibilidade de uma guerra nuclear. Vi no facebook do telemóvel imagens da manifestação racista  nos EUA. Olhei para o céu a escurecer com fumo por causa dos incêndios. À noite, quando cheguei ao quarto de hotel, descobri que Bolt se tinha lesionado na sua última corrida. Sábado passei o dia longe de tudo, em Cem Soldos, uma aldeia a poucos quilómetros de Tomar, um sítio que nos faz acreditar. E olhem que isso não é nada fácil nos dias que correm.

surma.jpg

Esta é a Surma e a foto foi tirada por Carlos Manuel Martins/Bons Sons.

Para saberem mais leiam AQUI e AQUI.

Como escrevi no ano passado: a ver se não se estraga.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 15:18

Quinta-feira, 10.08.17

A última corrida

bolt.jpg 

Ontem, numa espécie de homenagem ao grande Usain Bolt, vi o documentário I am Bolt - que foi feito para assinalar a despedida da competição e a participação do atleta nos seus últimos jogos olímpicos, no Rio de Janeiro em 2016. É uma "biografia autorizada", portanto não há ali espaço para polémicas ou questionamentos, mas, ainda assim, é um filme muito interessante, até por usar as filmagens feitas com o telemóvel pelo próprio Bolt ou por aqueles que o rodeiam. Também é engraçado acompanhar toda a rivalidade com americano Gatlin, que já dura há anos - e tê-lo visto agora que Gatlin finamente conseguiu ganhar uma corrida a Bolt tem ainda mais graça. Dá para perceber que já há algum tempo que o homem mais rápido de sempre queria deixar de competir e dedicar-se apenas a aproveitar a vida, poder estar com os amigos, comer junk food, divertir-se. Sobretudo porque é claro que já não não está no seu pico de forma e ele, melhor do que ninguém, sabe isso. De qualquer forma, não deixa de ser uma pena. Vê-lo a correr foi sempre um momento de felicidade. Além dos recordes, Bolt ganhou por três vezes o ouro olímpico em 100 metros, mais três vezes em 200 metros e duas vezes nas estafetas, e tem mais onze medalhas de ouro em campeonatos do mundo. É absolutamente inacreditável.

Para mim, não há futebol que se compare com os jogos olímpicos ou sequer com os mundiais de atletismo. Só por isso, esta semana já tem sido boa. Ainda por cima, quando os campeonatos são em horário GMT e consigo acompanhar quase tudo sem grandes malabarismos. Sábado, Bolt corre a estafeta 4x100 (as eliminatórias são de manhã, a final é as 21.30). Será, ao que tudo indica, a sua última corrida. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 18:01

Sábado, 05.08.17

Na guerra

dunkirk1.jpg 

Aconteceu estar a ler A guerra não tem rosto de mulher, de Svetlana Alexievich, na mesma altura em que fui ao cinema ver Dunkirk, de Christopher Nolan.

Eu sou um bocadinho obcecada com a Segunda Guerra Mundial (nada de grave, não passo o tempo a pensar nisto, é só um assunto que me interessa e que vai estando presente, de forma mais ou menos constante, nas coisas que vou lendo e vendo por aí). Aliás, a guerra, de uma maneira geral, é um assunto que me interessa. Porque me parece incompreensível. Andamos há milhares de anos nisto e é como se a humanidade não tivesse aprendido nada. Continuamos a matar-nos uns aos outros por causa de vaidades e ambições de uns quantos senhores que mandam, por uns quilómetros de terra, por petróleo, por deus, por um poder passageiro. E, para além desta incompreensão geral, há algo mais que me intriga: o que leva uma pessoa a matar outra? o que sente? como é essa raiva ou instinto de sobrevivência ou sentido de dever que conduz os militares? como resistem? o que fica neles dessa experiência?

Mas estou a desviar-me do meu assunto.

O livro de Svetlana não é propriamente grande literatura, tal como geralmente a definimos, mas é um documento incrível. Uma colectânea de testemunhos, recolhidos ao longo de anos, de várias mulheres que combateram pela Rússia na Segunda Guerra Mundial. Descrições impressionantes. E pessoais. Quase que dá para visualizar. E sentir o cansaço dos soldados, o frio, a fome, o desespero de quem só quer continuar a viver, o medo. Sabia muito pouco sobre a frente russa da guerra, sabia o básico, dos filmes sobre o cerco de Leninegrado, mas, apesar de tudo, existe uma diferença enorme (pelo menos, para mim) entre ver um filme que é ficção e ler um testemunho real. Confesso que (como estava de férias li muito nesses dias) houve noites em que mal conseguia dormir e mesmo quando adormecia continuava com aquelas imagens na cabeça.

Dunkirk é um filme de uma beleza rara. Muito bem feito, muito bem filmado. Recusando a estética algo gore que se banalizou nos filmes de guerra desde o desembarque no Resgate do Soldado de Ryan, de Spielberg. Aconselho a leitura do texto do Eurico de Barros para terem uma crítica como deve ser. Eu não sou crítica e o que senti é que este era um filme falhado. A proposta de Christopher Nolan passava por não ter personagens muito definidas, porventura para acentuar o carácter universal daquelas pessoas que ali estão e que podiam ser qualquer outra pessoa. Isso funciona muito bem na parte dos soldados em terra - aqueles milhares de homens em espera, na praia, tentando por todos os meios sair dali (a cena do naufrágio do barco é muito boa, mesmo). Mas funciona muito mal no resto. Com o comandante da marinha interpretado por Kenneth Branagh, os pilotos dos aviões (um deles é Tom Hardy) e os tripulantes do pequeno barco de pesca (com Mark Rylance) ficamos ali a meio caminho - o realizador não teve coragem para levar a sua ideia de não ter personagens ao limite, não resiste a dar-nos esboços de heróis mas que não chegam a ser verdadeiras personagens (a mim até me parece que os actores terão tido dificuldade em construí-las; Rylance, por exemplo, parece uma fotocópia do que fez em A Ponte dos Espiões mas aqui vazio de conteúdo), sabemos alguma coisa sobre as suas motivações (ah, o velhote já perdeu o filho na guerra, é por isso que) mas não o suficiente para criarmos empatia ou para perceber realmente as suas acções e as suas palavras. E, na verdade, aquilo fica com um ar um bocado falso: o discurso de Branagh, a determinação do velhote, aquele voo para a morte do piloto (e para os que dizem que este é um filme que não procura a emoção, querem maior lamechice do que essa cena, com as palavras de Churchill, o avião a despenhar-se, um pôr-do-sol na praia e aquela música?). Aliás, a música de Hans Zimmer parece estar sempre a mais, como se Nolan se socorresse da música para procurar o dramatismo que não consegue obter com a narrativa. Dito assim, até parece que não gostei de Dunkirk, e é mentira. Até gostei. Mas acho que ficou muito aquém daquilo que eu esperava e daquilo que seria a proposta do seu autor, por isso digo que é um filme falhado.

Curiosidade: o filme conta com a participação de Harry Styles (ex-One Direction).

A imagem lá em cima é da praia de Dunkirk, em maio de 1940, de onde 330 mil soldados foram evacuados. Para saber mais vejam aqui (números e factos, na BBC) e aqui (os relatos de quem lá esteve, no The Guardian).

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 15:08



Pesquisar

Pesquisar no Blog