Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Gata Christie



Terça-feira, 01.04.14

O divórcio

Um dia, uma amiga disse-me que o pior de tudo no divórcio tinha sido a sensação de falhanço. Não a percebi, na altura. Mas percebo-a agora. O fim de um casamento não é só o fim de um casamento. É o fim de um projecto de vida. Um projecto que era para sempre. Que incluía filhos e netos, tios e primas, sobrinhos e afilhados. Que incluía férias no Algarve e sonhar com uma casa no campo. Que incluia o colchão que comprámos a pensar no modo como os nossos corpos se encaixam, o candeeiro que escolhemos juntos, o tapete de que um de nós nunca gostou. Que metia os amigos ao barulho e as festas que planeávamos fazer e as conversas que tínhamos. Que metia gargalhadas e discussões. Projectos de trabalho, lutas a travar, promoções e contrariedades. Rotinas. Idas ao supermercado. Sopas. Roupa por estender. Colos. Coisas boas e coisas más. Memórias que se acumulam. Envelhecer de mão dada. Cuidar um do outro. Um casamento não é só um papel que se assina. É uma vida que se constrói todos os dias a dois (e a mais). Por isso quando um casamento acaba não é só o casamento que acaba. É a vida tal como a conhecemos que acaba. E começa de outra maneira. Com um tapete novo. Com outro colchão. Sem aqueles primos. Sem aquela rotina. Com outros sonhos. Talvez outro amor. Por isso, mesmo quando temos a certeza que é o divórcio que queremos. Mesmo quando o afecto já se foi. Mesmo quando há rancores que nos corroem. Mesmo quando sabemos que estamos a dar o passo certo, o passo que nos vai fazer bem, o único passo a dar. Mesmo assim (ou, talvez, sobretudo aí) perguntamo-nos como foi possível acreditar tanto e, afinal, estar tão errada. Como foi possível perder tanto tempo e desperdiçar tantos sonhos. Como foi possível investir tanto, querer tanto. E não conseguir. É que não foi um mero engano, uma coisa de nada. Foi um erro do tamanho de uma vida. Um falhanço, como quando se erra um golo de baliza aberta. Estava ali tudo e no entanto.

No dia em que fui assinar o meu divórcio não tirei os óculos escuros. Chorei o tempo todo. A senhora a ler aquelas coisas todas, o nosso nome, a morada, a casa, o carro, o número do cartão de cidadão, papéis intermináveis para assinar, a senhora a perguntar se eu queria mesmo divorciar-me e não bastou eu acenar com a cabeça, tem que dizer em voz alta, disse ela, e eu disse numa voz sumida, sim, quero, como tinha feito para casar, sim, quero, são as mesmas palavras, mas desta vez eu estava de óculos escuros e a chorar. Não era um chorar de tristeza. Essa já tinha passado, há muito. Era o chorar de quem se confronta com o seu falhanço. Total. Era um chorar de vazio. De quem perdeu o chão e agora vai ter de começar de novo. Tudo de novo. Ou quase tudo.

Outra vida. A mesma vida, que é a nossa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 15:31


14 comentários

De chones a 01.04.2014 às 17:03

"Foi um erro do tamanho de uma vida" - retirei esta frase, porque entendo que para mim o unico problema é o tempo - seja casamento, namoro, uniao de facto - e ele não estica e gostariamos de voltar a ter as mesmas oportunidades de tempo com a nova pessoa, construir todos esses sonhos novamente, mas para alguns (desses sonhos) o tempo já não permite.

De sara a 01.04.2014 às 17:25

Que texto tão bonito, sobre um tema tão triste. Nunca tiro os óculos em situações más. percebo-a bem.

De Inês a 01.04.2014 às 19:27

tão bonito e tão bem escrito.

De Pressaodar a 01.04.2014 às 20:00

Conheço essa sensação. E a sensação é mesmo de falhanço. Primeiro porque tivemos o amor da nossa vida nas mãos e não o soubemos levar a bom porto. Depois o falhanço do "como é que eu não vi", "como é que eu pude desperdiçar a minha vida assim". Depois disso vem a certeza de que tudo nos torna pessoas mais fortes e, se formos inteligentes como eu pressinto que é o teu caso, pessoas melhores. Nada na vida é tempo perdido. Se formos inteligentes.

De Calita a 01.04.2014 às 20:33

Eu não chorei quando fui assinar o divórcio. Já tinha chorado tudo. E não há outra coisa a fazer, de facto, quando um casamento acaba. Chora-se tudo o que se tem a chorar e depois recomeça-se.

De Sónia a 01.04.2014 às 21:33

Tão bonito, tão bem escrito, tão maravilhosamente bem escrito.
Adoro-te. E estou sempre cá.

De Amigo Imaginário a 01.04.2014 às 21:34

É isso mesmo... sentir que falhámos em relação a nós próprias, à vida que construímos, aos projectos que idealizámos. É um buraco negro no coração que não tem rigorosamente nada a ver com o outro. Por viver no estrangeiro, não pude assinar o meu próprio divórcio. E, por estranho que possa parecer, senti falta de verbalizar em voz alta que me queria divorciar.

De PO a 01.04.2014 às 23:21

É um texto tão bonito e triste ao mesmo tempo. Comoves-me tanto com a tua sensibilidade. Isto não é um comentário, é um abraço apertado.

De cristina a 02.04.2014 às 10:46

Depois de assinarmos os papeis, eu e o meu ex-marido abraçámo-nos e chorámos juntos o nosso falhanço, o fim do nosso sonho.
Foi há 15 anos atrás. O nosso filho tinha apenas 2 anos. Sempre fomos amigos. Hoje, ele está casado e teve outro filho. Eu também voltei a casar e tive outro filho. Continuamos muito amigos. O carinho permanece.

De Alexandra a 02.04.2014 às 12:28

um divórcio ou separação são sempre um falhanço. Um que deixa de acreditar e lutar, ou que chegou a essa convicção antes que o outro... ambos que decidem que chega e tantas outras situações. Mais do que pensar em como foi possível acreditar tanto e estar tão errada podemos pensar que fomos "crescendo divergentemente" e que não fomos suficientemente sábios para saber conciliar esses crescimentos divergentes ... É um falhanço mas a vida é feita de vitórias e falhanços, alegrias e dores.
O sol voltará

Comentar post


Pág. 1/2




Pesquisar

Pesquisar no Blog