Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Gata Christie


Terça-feira, 16.05.17

O maior milagre somos nós que o fazemos todos os dias

fatima.jpg 

Quando me deitei na minha cama com lençóis lavados na noite de quinta-feira e ouvi a chuva a cair torrencialmente lá fora, pensei nas pessoas que estavam acampadas em Fátima, nas suas tendas frágeis, nos baldes onde tinham que fazer xixi, no banho quente que não iam tomar na manhã seguinte. Quando, terminada a missa de sexta-feira, já a entrar na madrugada de sábado, atravessei o recinto do santuário para ir dormir num quarto de hotel, surpreendi-me com a quantidade de pessoas embrulhadas em sacos-cama, deitadas no chão de pedra, umas encostadas às outras, desafiando o frio e as dores nas costas, preparadas para passar ali a noite.

Porque o fazem?, pergunto-me.

Não sou católica. Não sei bem o que sou mas a acreditar em algo nunca seria em aparições e muito menos em milagres. Faz-me alguma confusão acreditar que um deus ou uma santa se dá ao trabalho de curar as maleitas e os pequenos problemas de algumas pessoas só porque elas acendem umas velas, andam uns metros de joelhos, rezam uns pais-nosso ou umas avés-maria, como quem mete uma cunha (e eu odeio cunhas), e depois esse mesmo deus ignora olimpicamente todos os problemas do mundo e das outras pessoas, incluindo muitas que também rezam, que também são boas pessoas, que também mereciam um milagre. E já nem falo dos negócios em volta das aparições, da exploração da fé de quem ali vai, dos terços, dos santinhos, da água benta. Tudo isso me causa urticária.

Não, Fátima não me toca. A mim o que me toca são as pessoas. Nos últimos dias, falando com os peregrinos que estavam em Fátima, ouvi histórias de quem caminhou centenas de quilómetros durante uma semana e de quem veio de parte longínquas do mundo, vi pés descalços em muito mau estado, encontrei gente que passou dois dias inteiros num banco trôpego num canto do santuário só para rezar com o Papa Francisco. Novos e velhos, homens e mulheres, sozinhos ou em grupo, com bebés, com doenças, com deficiências. Nenhum se queixou. Disseram-me que não era assim tão mau. Ofereceram-me bolinhos de bacalhau e copos de vinho, tem a certeza que não quer, menina? Cantavam, sorriam, aplaudiam, ajudavam-se uns aos outros, davam as mãos. Vi os grupos de peregrinos a chegarem cantando à Capelinha das Aparições, o silêncio que faziam na primeira oração, os abraços emocionados e as lágrimas que poucos continham naquele momento. E depois a alegria nos seus rostos.

Às vezes, não temos que compreender tudo. Não foi Fátima, foram as pessoas que fui encontrando que me deram uma lição de resiliência e de esperança. Que me disseram: somos apenas um grão de areia. E me lembraram que, apesar de sermos assim pequeninos, somos capazes de muito. Basta querer (ou talvez baste apenas crer).

Este texto foi publicado no DN na segunda-feira, depois de ter passado três dias em Fátima a acompanhar a viagem do Papa Francisco. A fotografia foi tirada às 7 da manhã do dia 13 de maio (mas não é por isso que estou com aquela cara de poucos amigos, é mesmo porque me sinto sempre muito ridícula a tirar selfies).

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 21:03

Terça-feira, 28.03.17

Isto anda tudo ligado

Às vezes faços uns comentários ou escrevo uns posts no facebook a chamar a atenção para títulos ou ângulos de notícias que alimentam os estereotipos de género e a discriminação. Parecem coisas sem importância mas faço questão de as denunciar porque me parece que revelam muito sobre a mentalidade que está instalada em nós, de tal forma que muitas vezes nem nos apercebemos como estamos a ser preconceituosos ou discriminatórios. Por exemplo, quando fazemos artigos em que ouvimos especialistas e são todos homens (vejam aqui uma bela selecção). Ou artigos em que as mulheres são assunto devido ao seu corpo ou ao modo como se vestem (este foi um dos que me irritou recentemente, mas experimentem fazer uma pesquisa no site de um jornal qualquer com a palavra "ousada" e terão uma ideia do que estou a falar). Ou quando tratamos uma mulher com aquele tom condescendente (como por exemplo aqui) ou como se fosse uma aventureira por fazer ou querer fazer as "coisas dos homens" (whatever that means). Ou outras coisas assim.

Pergunto-me sempre se alguém parou para pensar naquilo que escreveu ou naquela foto que escolheu ou naquele título que até está na primeira página. Porque o que falta é só isso. Parar e pensar um pouco. Para que o pré-conceito apareça como evidência (e, em certa medida, muito disto que eu estou a falar deve-se à cada vez maior falta de discussão de ideias e de verdadeira edição nos jornais que fazemos, mas isso é outro assunto, de que talvez fale um dia).

Imagino que alguns achem que estou a dar demasiada importância a estas coisas. Minudências, dizem-me. Que não é por escolhermos uma fotografia da Scarlett Johansson para a primeira página apenas porque ela é gira e tem aquela voz que vem daí grande mal ao mundo. Mas eu acho que faz muito mal. Na verdade sinto que ainda não damos atenção suficiente a estas coisas pequenas mas muito reveladoras. Temos um longo caminho por percorrer. E, o que é pior, para além da discriminação escondida ou inconsciente ainda temos que lidar com a discriminação às claras.

Duas provas disto que estou a dizer:

Ontem, li este artigo, que é sobre a princesa Diana e o príncipe Carlos mas é também sobre aquela estranheza que quase todos já sentimos quando, num casal, um homem é mais baixo do que a mulher, e que não tem qualquer razão de ser a não ser o preconceito. Mesmo. Só temos que tomar consciência disso. Esta tarefa de combatermos os nosso próprios preconceitos é a primeira batalha que temos de travar.

E veja-se o que aconteceu hoje, na capa do Daily Mail. Mais um dia normal num tabloide, afinal, os tabloides (e as revistas sociais) são verdadeiros antros de estereotipização do género, de forma completamente consciente e assumida:

17620098_10208016216715329_7878728102733718936_o.j

Só para terminar com uns sinais de esperança. Esta BD reflete muito bem aquilo que penso sobre a educação dos rapazes. Este vídeo, embora com um foco diferente, também é muito inspirador:

Pode parecer que não, que as pernas das inglesas na capa do jornal não têm nada a ver com a cultura machista nas relações amorosas, mas se olharmos com atenção isto está mesmo tudo ligado. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 21:48

Segunda-feira, 23.01.17

Ainda há princesas?

De vez em quando, faço umas visitas ao Quarto das Brincadeiras, que é um sítio que tem todos os dias sugestões de actividades para os mais pequenos, procurando sempre que sejam diferentes e acessíveis. Além disso (e isto é muito importante), aqui não se escreve de cor ou confiando em press releases. Ou já experimentámos como mães ou andámos a fazer perguntas como jornalistas, ou ambas as coisas.

Hoje, por exemplo, apresento-vos A Princesa e a Ervilha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 11:38

Segunda-feira, 16.01.17

Quando a notícia é que o cão mordeu o homem

O Pedro fez um "projecto" sobre a sua viagem ao Brasil. Levou para mostrar aos colegas a bolsa da TAP que trouxe ao pescoço na sua viagem-aventura de 11 horas sem adultos-amigos por perto, um búzio onde se ouvia o mar de Garopaba, fotografias de muitos mergulhos e histórias de um natal com calor e de uma passagem de ano na praia. De tudo o que aconteceu na viagem o que mais interessou os amigos, o que eles foram contar aos pais nessa noite em casa, o que todos, grandes e pequenos, me perguntaram nos dias seguintes, com ar preocupado foi: "É verdade que o Pedro foi mordido por um cão?"

projecto.JPG

É verdade, ali está a foto, em baixo, à esquerda, a comprová-lo.

Não sei porquê, achei que esta pequena história tinha tudo a ver com o congresso dos jornalistas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 09:46

Segunda-feira, 09.01.17

Desta vez fomos aos treinos delas

Uma noite, depois do horário normal de trabalho, peguei nos meus filhos e fomos para o fim do mundo de Alcochete. Jantámos umas bifanas num café manhoso, depois eles ficaram muito atentos a ouvir as entrevistas que fiz às jogadoras do sporting e, por fim, um frio de morte e eles divertidíssimos a correr por ali enquanto eu assistia ao treino. Chegámos a casa já tarde e no dia seguinte havia escola. Eles não protestaram. Nunca protestam. Não exijo deles este tipo de coisas muitas vezes mas de vez em quando tem de mesmo ser. Nesta aventura que tem sido estarmos os três sozinhos todos os dias temos aprendido muito sobre o que é viver em família, o que é viver numa família onde só há um adulto e não temos plano B. E os meus filhos, há que dizê-lo, são fantásticos.

O resultado saiu no jornal no sábado mas ainda pode ser lido AQUI. Foi uma ideia minha e deu-me um gozo enorme. Para uma reportagem feita nas horas vagas e na horas extraordinárias, até nem está mal, mas a minha opinião é obviamente suspeita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 10:56

Quinta-feira, 01.12.16

Maiores

pedrosa.JPGGostei tanto de conversar com a Kim, a Helena, o António e o Carlos. São pessoas mesmo bonitas e inspiradoras e eu tenho esta sorte de os conhecer e de os ver em palco e de ainda poder escrever sobre eles. Este fim-de-semana eles e os outros elementos da Companhia Maior vão estar no CCB a fazer o seu Sonho de Uma Noite de Verão, de Shakespeare, com encenação de Tónan Quito.

Sou fã da Companhia Maior, como podem ver pelo que escrevi em 2010, em 2011, em 2013, em 2014 e em 2015 (só falhei um ano, mas 2012 foi um ano de muitas falhas, vá-se lá saber o que aconteceu). Envelhecer a fazer o que mais se gosta, seja no palco ou fora dele. É o que todos queremos.

Vão, vão, que não se vão arrepender.

A foto do ensaio é do Gustavo Bom/Global Imagens.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 14:16

Segunda-feira, 14.11.16

Avenida da Liberdade, 266

Vai ser uma semana difícil. Até para mim, que tenho a mania que as coisas são só coisas e que o que interessa são as pessoas. Até para mim, que treino o desapego para evitar sofrimentos desnecessários. Que deito fora papéis e restos de vida sem olhar para trás porque acredito, acredito mesmo, que as coisas que interessam ficam guardadas em nós. Vai ser uma semana difícil. E não é só porque aquele é um edifício histórico e porque tem as palavras Diário de Notícias escritas na fachada, não é pela arquitetura de Pardal Monteiro ou pelos murais do Almada. Nada disso. É mesmo porque aquele edifício faz parte de mim.

Foi ali que há vinte anos, em julho de 1996, comecei o meu percurso profissional. Entrei por aquela porta rotativa da avenida da liberdade cheia de nervos e de sonhos, com a intenção de fazer o estágio e ir à minha vida. E depois fui ficando (estive fora durante um mês, que foi o suficiente para saber que queria voltar). Ao fim de uns meses naquela redacção cheia de pó e de fumo, com tantas horas passadas ao computador, fiz úlceras nos olhos e tive de deixar de usar lentes de contacto. Paciência. Fui-me afeiçoando àquelas escadas de pedra, ao log-in no atex - mjoao, à máquina de café ranhoso, à extensão telefónica que me atribuíram - 7680,  aos vários lugares onde me sentei na redacção no 2º andar (e durante uns meses, por causa das obras, no 5º andar, com uma vista fantástica para o marquês), ao terraço aonde subíamos para ver as manifestações no 25 de abril e os festejos do benfica campeão. Foi ali, naquele edifício, que passei grande parte da minha vida nestes últimos 20 anos. Horas muito boas, horas menos boas. Foi ali que aprendi a ser jornalista. Foi ali que conheci pessoas que me ajudaram a ser melhor jornalista. E que fiz amigos - alguns deles para a vida.

Naquele edifício que é na Avenida da Liberdade, 266, mas que para nós é na Rodrigues Sampaio, 111, rimos e chorámos, gritámos e insultámo-nos, fizemos plenários, tomámos decisões, trabalhámos que nem malucos em dias terríveis e em dias muito bons, descobrimos essa coisa fantástica que é a internet, vimos as torres gémeas a desabarem, comemos sandes em longas noites eleitorais, ganhámos um nobel da literatura, despedimo-nos de pessoas, demos as boas vindas a quem veio por bem, desesperámos, perdemos a fé no jornalismo, acreditámos que íamos mudar o mundo, assistimos ao nascimento de muitas paixões (ui, se aquelas paredes falassem), foi ali que as barrigas cresceram e que envelhecemos, quase sem dar por isso.

E, sim, é verdade, as memórias não vão desaparecer só porque vamos sair daquele edifício, mas ainda assim sinto que estamos a perder algo. Porque há memórias que são dali e de mais sítio nenhum. Há pessoas que, para mim, ficarão para sempre ligadas a este lugar. O Mário Bettencourt Resendes, que me parecia enorme, a sair do seu gabinete com aquele sorriso e aquela voz que ele tinha. O João Pedro Fonseca e seu coração bondoso, sempre pronto a ajudar quem mais precisava. O João Fernandes, que foi o meu primeiro editor, na política (e eu tão pequenina). A Milú, a primeira pessoa que acreditou em mim e que me abriu portas. O Eurico de Barros, o chefinho que aceitava sempre as maluqueiras que nós queríamos fazer. O Nuno Galopim, que tem a mania que é ditador mas não é nada e além disso mostrou-me o Beck, os Massive Attack, a Lhasa, os Divine Comedy e tantos outros. O Miguel Gaspar que conversava comigo como se eu fosse crescida. O Manuel Dias com a sua fé infindável na juventude. A Rita Rocha que me levou ao Porto para ver o Nick Cave e os Pulp. O Miguel Madeira que me acompanhou na minha primeira reportagem e depois em muitas outras aventuras (e não foi só trabalho). O Luís Osório que a primeira vez que pegou num texto meu riscou tudo de tal maneira que eu fiquei com vontade de desistir da profissão e, no entanto, foi ele que me fez participar nessa aventura que foi o DNA. A Sónia Morais Santos que é uma das melhores jornalistas que eu conheço e além disso é minha amiga do coração. O João Miguel Tavares sempre a puxar por mim, até mesmo quando discutíamos (o que eu dava para tê-lo agora aqui ao meu lado a dizer-me que está tudo mal e que é melhor escrever tudo de novo). O João Pedro Oliveira que é daqueles amigos que vale mesmo a pena ter (embora nunca tenha tempo para almoçar). A Maria Augusta Silva com uma dedicação ao trabalho que hoje já não existe. A Feliciana Ferreira, sempre com um cigarro entre os dedos, a defender cada jornalista e cada trabalho nosso com unhas e dentes. A Sónia Correia com as suas mãos a tremer mas que mesmo assim dá abraços mesmo bons. A Ângela Marques com aquele humor negro e a sua tranquilidade, aconteça o que acontecer. A Sofia Jesus que parecia tão frágil e afinal teve a coragem que mais ninguém teve. A Isabel Lucas que nos maravilhava (ainda maravilha) com os seus textos escritos por entre insónias angustiadas. A Lumena Raposo a adoçar-nos a vida com sacos de gomas. O Humberto Vasconcelos, avô de nós todos, a Zé que perdemos demasiado cedo, o Armando que era igual ao Mr. Big, o silencioso Pedro Sousa Dias, o Daniel que foi meu parceiro no snooker mesmo sabendo que eu não sabia jogar snooker. O José Carlos Carvalho e o Rodrigo Cabrita que são os melhores fotojornalistas e os melhores companheiros de trabalho que se pode ter. O Luís Filipe Rodrigues que por trás daquele cabelo era um cavalheiro. O João Moço que ainda me atura e me leva a dançar quando eu estou deprimida. Tantos outros, a Rita Carvalho sempre tão ponderada, a imparável Cristina Margato, o João Cepeda, a Rute Araújo, a Gisela Pissarra, a Paula Lobo, o Mário Lopes, o Tiago Pereira, a Natacha Cardoso, tantos, tantos, os motoristas que eram os nosso anjos da guarda, o Celso da secretaria que movia mundos para que tudo corresse nos eixos, o Abel que nos guiava no labirinto do arquivo sem se perder, muitos outros, estou a esquecer-me de alguém, com certeza, mas são vinte anos e muitas pessoas, não levem a mal, por favor. E já nem estou a falar daqueles que vão comigo para as torres e com quem vou continuar a construir memórias (por quanto tempo?).

Vai ser uma semana difícil, daqui até domingo. É só um edifício, são só paredes. E no entanto. Mesmo que o sorriso se mantenha, há uma tristeza grande por aqui.

dn.jpg(a foto é do Leonardo Negrão, que deve ser a pessoa que mais tem fotografado a redacção do DN, em todas as suas fases)  

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 12:41

Quinta-feira, 27.10.16

Livros para ler, ver e gostar

Dois livros que me passaram pelas mãos nestes últimos dias e que são muito bons:

lx.jpg

 

Lx80 - Lisboa entra numa nova era, de Joana Stichini Vilela e Pedro Fernandes - está tudo explicado aqui.

e

sattouf.jpgO Árabe do Futuro 2, de Riad Sattouf - de que eu falo aqui

 

(também ando a ler a Ferrante, nos tempos livres, e vou já para o segundo volume, mas só me pronunciarei quando acaber os quatro livros ou se, entretanto, desistir a meio)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 22:33

Terça-feira, 04.10.16

Ferrante

Não li nenhum livro da Elena Ferrante. Vou ler, está na minha lista, já os tenho reservados na prateleira de uma amiga para ler a seguir. Como nunca li, não tenho nenhuma relação afectiva com a obra nem com a sua autora. O que me permite olhar para esta história toda da revelação da sua identidade apenas como uma história extraordinária.

Primeiro, porque é claro que o assunto tem interesse público - Ferrante é a escritora do momento, vende livros em todo o mundo, tem sido aclamada por críticos e leitores, nomeada para prémios. A identidade da escritora é um dos assuntos mais comentados pelos leitores e tem sido tema de várias investigações (análises sérias de críticos literários e outros) e de artigos de jornais - mas como, até aqui, nenhum tinha acertado na identidade ainda ninguém tinha questionado se essa investigação seria ou não legítima. Antes pelo contrário, a especulação provocava ainda mais curiosidade nos leitores. E foi aproveitada pela editora, claro, para vender ainda mais livros. Além disso, nas entrevistas que foi dando, parece que Ferrante revelou alguns pormenores sobre a sua vida que, a serem verdade as informações de Claudio Gatti, afinal são falsos. Também já sei que ela nunca garantiu que dissesse a verdade, deixando sempre no ar a hipótese de estar a inventar algumas coisas. Mas a mim o que me parece é: se ela não queria dizer quem é, não dizia, ficava calada, agora, se se põe a dizer mentiras corre o risco de ser desmentida. Ou seja: ela estava a jogar um jogo. A não-identidade da Elena Ferrante tornou-se parte da sua identidade enquanto escritora. Ela era aquela-que-não-sabemos-quem-é. Esse jogo foi alimentado pela própria. Era um jogo arriscado. E ela sabia que poderia perder. 

O jornalista, na verdade, fez aquilo que os jornalistas devem fazer: havia um mistério, ele investigou e descobriu a verdade (digo que descobriu porque, até agora, nem a editora nem Anita Raja desmentiram os factos). E não cometeu nenhum crime: investigou resgistos de propriedade, que são públicos. E teve acesso às listas de pagamentos da editora, que não são públicos mas foram fornecidos por alguma fonte. Mas não revela quais são esses pagamentos, atenção. Não diz quanto ganha a tradutora, diz apenas que ela ganha muito mais do que é costume para quem faz traduções. Bruno Vieira do Amaral considera que ele talvez não precisasse revelar quantas assoalhadas têm as casas novas de Elena Ferrante, que isso já é mesmo só cusquice. Talvez. Mas, por exemplo, eu adorei ler a história da mãe dela e essas são informações bem mais pessoais e bem menos relevantes para a investigação em causa. Aí, sim, senti-me a entrar na intimidade alheia.

Vamos, então, à parte mais complicada: e é legítimo? Isto é: Se uma pessoa quer manter a sua privacidade, se quer apenas escrever livros e não ser conhecida por isso, se não cometeu nenhum crime nem há qualquer motivo obscuro que leve alguém a revelar a sua identidade a não ser a pura curiosidade, é legítimo que alguém o faça?

Geralmente, sou contra a revelação de informações da vida privada de alguém sem o seu consentimento. É por isso que desprezo sobremaneira todas as revistas ditas cor-de-rosa, o trabalho dos paparazzi e de todas as pessoas que contribuem para que a fofoca se torne notícia. E é por isso, por respeitar o direito à privacidade de cada um, que me parece claro que houve aqui uma invasão da privacidade. 

(há uma corrente de críticos que vê esta revelação quase como uma verdadeira violação, uma tomada de posição de um homem contra uma mulher que disse claramente que não queria isto, o  resultado de um ódio não declarado dos homens contra uma mulher que conseguiu ter sucesso - confesso que não tenho grande paciência para este tipo de análises. Mudaria alguma coisa se o artigo fosse assinado por uma mulher?)

Além disso, é preciso perguntar: e agora? Agora que sabemos quem é Elena Ferrante, isso muda o modo como lemos os livros? Isso muda a forma como olhamos para a obra? Era importante saber quem é Elena Ferrante para perceber os livros? Ou os livros, afinal, como ela sempre disse, valem por si mesmos e esta informação é irrelevante? Nós precisávamos saber quem ela é? Não. Nós gostaríamos de saber, mas não era isso que fazia as pessoas lerem os livros e gostarem deles.

E ainda: o que vai a acontecer a Elena Ferrante? E a Anita Raja? Conseguirá ela escrever mais livros? Ou conseguirá escrever da mesma forma? Vai dar alguma explicação? Vai começar a dar entrevistas ou vai fugir para a sua casa de campo na Toscânia e nunca mais ninguém a vê? Quais serão os custos desta interferência na vida desta pessoa real?

É muito complicado dizer claramente o que está certo e o que está errado. Pelo menos para mim. Há sempre um lado meu (o lado do jornalista) que pensa caramba, este tipo conseguiu aquilo que toda a gente queria mas ninguém foi capaz. E depois há o outro lado (o meu lado bonzinho) que pensa que se calhar a senhora estava a ser sincera quando dizia que só queria que a deixassem em paz e que nós (todos) devíamos ter respeitado mais isso em vez de estarmos sempre a perguntar quem é a Ferrante. Vamos ter que esperar para ver o que vai acontecer daqui para a frente.

Para já, estou fascinada com esta história. Entretanto, espero começar a ler os livros.

 

Para ler mais:

porque é que os escritores usam pseudónimos

- a visão feminista de Deborah Orr no The Guardian

- um bom artigo sobre os escritores-super-estrelas (até mesmo quando não querem sê-lo) na The Atlantic

- e mais uma opinião, de Noreene Malone, na New York Magazine 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 23:56

Sábado, 01.10.16

Do jornalismo que precisamos

25.jpg

Esta fotografia é do Mário Cruz. O Mário é excelente fotojornalista. E faz-nos acreditar no jornalismo. Faz-nos acreditar no futuro do jornalismo. Já conhecia algumas das imagens, mas gostei ainda mais de falar com ele.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 18:00



Pesquisar

Pesquisar no Blog