Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Gata Christie


Sexta-feira, 21.09.18

Dançar o azar, aprender a cair

"Dança o teu azar
enterra-o por aí
Vem passar por dentro
da tempestade
Lança-te a voar
nada como abrir
as asas ao vento
e aprender a cair"

Tempestade, a nova canção de Márcia

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Gata às 15:37

Quinta-feira, 20.09.18

Regresso às aulas

Recomeçámos. Despertador. Aulas, explicações, treinos, festas de anos, jogos de futebol, trabalhos de casa, trabalhos de grupo, testes. Estou a tentar levar isto com calma. Mesmo. E a primeira semana correu com tranquilidade. Apesar dos nervos do Pedro que agora está na escola dos grandes, onde tudo é novo. Apesar dos avisos ao António para ver se aquela cabeça atina. Apesar das queixas dos miúdos que acham uma injustiça tremenda não poderem jogar Fortnite durante a semana. Cá vamos. Sem grandes dramas, para já.

Na semana passada tive oportunidade de conhecer duas famílias que optaram pelo ensino doméstico e confesso que tive um pouco de inveja. Claro que eu nunca seria capaz de fazer uma opção dessas - porque de facto eu não seria feliz a ensinar os meus filhos em casa e porque gosto muito do meu trabalho (já nem falo da parte financeira da coisa) - mas senti uma certa inveja da falta de pressão, do modo como aqueles miúdos estudam sozinhos, da curiosidade que têm pelo mundo, de não terem de ficar sentados a ouvir um professor durante tantas horas por dia.

O ideal para mim não seria o ensino doméstico mas seria ter uma escola melhor. Cada vez mais me convenço que esta escola que temos não presta. Está ultrapassada. Não é boa para os miúdos. Não lhes ensina as coisas que realmente importam. E, sim, os meus filhos podem não ser grande exemplo, mas eu digo que esta escola não é boa até mesmo para os bons alunos, aqueles que se portam bem e se esforçam e tiram boas notas - e ainda assim penso que é um desperdício que passem tanto tempo em explicações e a decorar coisas com nomes complicadíssimos quando poderiam estar a aprender a pensar e a perceber o mundo. Se a maioria dos alunos precisa de explicações extra para conseguir tirar boa nota a matemática, e mesmo assim com que dificuldade, é porque algo está mesmo muito errado na escola que temos. Isto acontece não tanto na primária, onde há escolas públicas e privadas realmente boas, mas sobretudo do 5º ao 9º ano (ainda não tenho conhecimento suficiente sobre o secundário para me poder pronunciar), onde as metas, os currículos, as matérias, a organização da escola, tudo é demasiado rígido e demasiado formatado e demasiado burocrático. Demasiado antiquado e chato. Demasiado castrador das qualidades e potencialidades dos alunos. E até demasiado inútil.

A propósito, leiam este texto que levanta muitas questões pertinentes.

Mas, bom, aqui estamos. No início de mais um ano lectivo e sem grande opções à vista.

Respiremos fundo. 

Darei o meu melhor, como sempre, para fazer com que isto resulte.

baby.jpg

Baby Blues, claro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Gata às 19:44

Quarta-feira, 12.09.18

Estas foram umas férias no feminino

20180823_100734.jpg 

A editora Minotauro está a reeditar a obra de Maria Judite de Carvalho (1921-1998) e eu, que sabia muito pouco sobre esta autora, fiquei curiosa e decidi levar o Tanta gente, Mariana para ler na praia. Não me arrependi. Ali estão as mulheres de um outro tempo - confinadas à casa, subjugadas a uma moral machista e a um poder masculino, tantas vezes imersas numa solidão que não ousavam confessar, frustradas nos seus desejos. De um outro tempo, disse eu? Felizmente, sim. Mas, ao mesmo tempo, reconhecemo-nos (a nós, às nossas mães, às nossas avós) ainda tanto nelas. Congratulei-me por todas as conquistas que entretanto fizemos mas não pude deixar de me entristecer ao perceber que ainda somos tantas vezes mulheres caladas, escondidas, envergonhadas. 

Por estes dias li também Florinhas de Soror Nada, de Luísa Costa Gomes, que de uma maneira completamente diferente acaba por nos falar do mesmo - do modo como a religião e a educação se têm ocupado a incutir na mulher uma vergonha do corpo e do prazer.

É por isso que todos deveriam ler Querida Ijeawele - Como educar para o feminismo, de Chimamanda Ngozi Adichie. Trata-se de uma carta escrita pela autora nigeriana para uma amiga grávida com conselhos para a educação da rapariga que aí vem. Não traz nenhuma novidade para quem já anda a pensar nestes assuntos, mas tem a vantagem de sistematizar aquilo que andamos a dizer e de servir como um reforço do que já eram as minhas convicções.

Não foi de propósito que escolhi estes livros para ler nas férias mas não deixa de ser sintomático que se tenham juntado todos na minha mala de viagem. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 13:22

Segunda-feira, 10.09.18

Das coisas que importam

IMG_6978.JPG

Estamos cá todos. Os putos crescem. Há sorrisos e partilhas e desafios e abraços e colos (e algumas birras também) e tudo o que faz uma família ser a nossa casa. 

Ontem o pai fez 72 anos. Hoje voltamos à nossa rotina. A felicidade também é isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 13:00

Sábado, 08.09.18

Sapatos novos

Voltámos das férias para comprar sapatos. Literalmente. No primeiro dia, o António foi ao treino de futebol e, a meio, teve de tirar as meias porque lhe começaram a doer os dedos dos pés. Isto numas chuteiras compradas em fevereiro e que na altura até eram mais para o grande. Mas não são só os pés que estão maiores. Também a roupa deixou de servir e obrigou-nos a arrumações profundas das gavetas e armários. Eles estão mais altos, mais esguios, mais crescidos de muitas maneiras. Este verão deliciei-me a vê-los de longe a brincar e a conversar com os amigos, a saltar ondas grandes e a deslizarem por escorregas gigantes, saindo de casa sozinhos para ir às compras ou para comer um gelado, ficando em casa sozinhos sem quaisquer problemas. As férias são também momentos de grande liberdade. Em que, todos juntos, em bando, os miúdos exploram o mundo à sua volta, seja a jogar às cartas num quarto no último andar da casa ou num passeio até ao fundo da praia - sempre cada vez mais longe dos pais. Mais independentes - para o bem e também para o mal, pois claro. Adoro vê-los crescer na mesma medida em que me assusta pensar em tudo o que pode correr menos bem. Além disso, como acabei de descobrir, os sapatos tamanho 40 são muito mais caros do que os 38.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 19:18

Terça-feira, 04.09.18

Amor de verão

20180822_195219.jpg 

O ano passado foi um dos piores de sempre. Estou a falar do ano lectivo, claro, que é como se contam os anos nas famílias com filhos. Foi um ano mau de muitas maneiras, incluindo as notas dos miúdos e o seu comportamento, algumas mudanças no trabalho, uma solidão maior do que o habitual e um desânimo geral com o mundo, e estou só a contar estas coisas por alto porque não sou de grandes lamentações mas queria que imaginassem a alegria e o enorme alívio que eu senti quando, ali por volta dos feriados de junho, me apercebi que aquele ano maldito estava finalmente a chegar ao fim. Sobrevivemos (sobrevivemos sempre, mesmo quando achamos que não vamos conseguir, não é?). E naquela altura decidi que iríamos aproveitar da melhor maneira possível estes três meses abençoados das férias de verão. Que não poderia ser de outra forma. Precisávamos - todos, mas eu precisava muito - de um descanso. De três meses sem discussões. Sem stresses. Sem horários. Sem pensar em trabalhos de casa e testes. Sem nada. Precisávamos mesmo - todos, mas eu precisava muito - de recarregar as baterias. De ganhar energia para enfrentar mais um ano, mais uma empreitada, e que empreitada será!, com um adolescente no 9º ano e o mais-pequeno-já-tão-crescido no 5º ano, meu deus, só de imaginar já estou cansada. De maneiras que decidi que estas férias teriam mesmo de ser férias.

E assim foi.

Durante três maravilhosos meses fomos felizes. Fomos felizes nos momentos que passámos juntos a três e nos momentos que passámos com muitos amigos e ainda nos momentos que passámos separados, o que é tão  necessário também. Estas férias foram muito boas (até mesmo quando eu estava trabalhar foram férias e foram boas). Ainda que não tenhamos viajado a lado nenhum. Ainda que não tivéssemos estado em nenhum hotel. Ainda que não tenhamos feito nada de verdadeiramente especial. Fizemos esta coisa especial que foi suspender a vida de todos os dias, a rotina, as preocupações. E depois aproveitar. O sol. O calor. Os amigos. A família. O tempo livre. A vida. Nas férias, somos o nosso melhor e conseguimos ver o melhor dos outros.

Foi bom.

E agora que está a acabar seria bom conseguir transportar alguma desta leveza e desta alegria para o novo ano que está prestes a começar. Como resistir ao despertador, aos tpc, ao "desliga o telemóvel", à roupa por estender, aos treinos de futebol, às contas para pagar, aos jogos ao fim-de-semana, ao cansaço, aos testes, ao trabalho fora de horas, aos imbecis que nos aparecem pela frente, às respostas tortas das crianças, aos jantares todos os dias, à vidinha? Como não perder o foco das coisas que são realmente importantes?  Como continuar a sorrir no meio disto tudo? 

Este é o grande desafio. Como quem deseja que um amor de verão possa sobreviver ao outono.

 

 

A propósito:

- Vejam as dicas do The GuardianSad summer’s over? 18 ways to keep the health, humour and happiness of your holiday alive

- Deliciem-se com o novo videoclipe de Childish Gambino para o tema Feels Like Summer:

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 23:36

Quinta-feira, 09.08.18

"With your feet on the air and your head on the ground"

Placebo e Black Francis cantam Where is My Mind, dos Pixies.

(daquelas músicas a que é sempre bom voltar)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Gata às 13:00

Sexta-feira, 03.08.18

Da falta que um homem faz (17)

O que eu aprendi nestes últimos anos:

Que não é fácil conhecer pessoas novas.

Que não há assim tantos homens interessantes.

Que não é fácil começar uma relação quando se é mãe a tempo inteiro.

Que às vezes há pessoas que parecem as certas e têm tudo a ver e cumprem todos os requisitos mas... falta aquela coisa básica que é a química.

Que às vezes há pessoas que não têm nada a ver e está na cara que não vai dar certo mas... porra, que vontade de lhe dar beijos.

Que às vezes há pessoas que surgem na nossa vida na hora errada. Pode mesmo ser uma questão de timing.

Que sexo é bom mas não é indispensável.

Que um homem faz mesmo falta é para dar atenção e miminhos e essas lamechices todas.

Que não é fácil ser feliz sozinha. É muito difícil até.

Mas que não estou disposta a aceitar qualquer coisa só para ter companhia. Nem estou disposta a abdicar da minha liberdade nem dos meus princípios nem de outras pequenas e grandes coisas que fui conquistando.

Que não vale a pena procurar.

Que o que tiver que ser será.

E se não acontecer nada, paciência. Vamos ter que aprender a viver com isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 16:03

Terça-feira, 31.07.18

Vietname

Uma pessoa sabe que está a ter uma vida realmente pouco interessante quando manda os filhos de férias para o Alentejo e, em vez de desatar a marcar jantares e copos e outras coisas que não pode fazer no resto do ano, passa os serões pacatamente em casa a ver uma série sobre a guerra do Vietname. Em minha defesa devo dizer-vos que até tentei fazer algumas dessas coisas mas os meus amigos não estavam assim tão disponíveis e, além disso, esta é seguramente a melhor série que alguma vez foi feita sobre a guerra do Vietname.

 

 

Realizada por Ken Burns e Lynn Novich, The Vietname War tem 10 episódios e quase 18 horas. Os autores passaram mais de dez anos fazendo pesquisa e entrevistas. O resultado é uma viagem que começa em 1958, atravessa toda a década de 60 e vem até aos anos 80, ou mais. As imagens são brutais, é quase como se estivéssemos a ver várias versões do Platoon, de Oliver Stone, mas com imagens reais e bastante impressionantes. Além das imagens, os sons: as gravações das conversas dos presidentes americanos (Kennedy, Lyndon Johnson e Nixon) com os seus conselheiros e assessores são documentos importantíssimos (e permitem-nos ver como é que um país se mete numa embrulhada destas muito porque os presidentes estão mais preocupados em ganhar eleições do que em fazer algum bem no Vietname). E, depois, para além de toda a informação factual, em vez de entrevistar historiadores e políticos, os autores decidiram entrevistar os verdadeiros intervenientes na guerra: homens e mulheres que combateram no Vietname, americanos, sul-vietnamitas, norte-vietnamitas, vietcongs, os seus familiares, os jornalistas que lá estiveram, pessoas que viviam no norte e no sul, prisioneiros, os que fugiram da guerra, os que defenderam a guerra, os que foram para a rua gritar contra a guerra... A guerra do Vietname é contada ao pormenor, de muitos ângulos diferentes, por aqueles que a viveram, efectivamente. Com os seus sonhos, as suas convicções, os seus medos, os seus fantasmas, os seus arrependimentos. E, apesar de as memórias serem tantas vezes enganadoras, é muito importante que estas memórias possam ser registadas e guardadas. Para o futuro. Para que tentemos compreender. Para que tentemos evitar repetir os mesmos erros (tenho ainda, sempre, essa esperança).

A série está disponível no Netflix (já sei, já sei, até parece que sou patrocinada pelo Netflix, mas infelizmente não sou...).

Deixo-vos com uma imagem de Deer Hunter/ O Caçador (1978), de Michael Cimino, com Robert de Niro e Christopher Walken, que é um dos filmes mais perturbadores que já vi sobre o Vietname (ainda hoje, mesmo sabendo o que vai acontecer, sempre que vejo algumas cenas não consigo ficar indiferente), e que retrata muito bem o impacto da guerra em tantos "bons rapazes" da América.

MV5BN2QwYjAyZWUtZWNkYS00NjU5LTk1OTMtZDRjYzgwOGIwZT

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 08:42

Segunda-feira, 30.07.18

Nanette

Há um momento, a meio do espetáculo de stand-up comedy Nanette, em que as gargalhadas deixam de se ouvir. Nem um aplauso. Nem sequer um daqueles risos envergonhados. Nada. Só o silêncio na enorme sala da Ópera de Sydney enquanto Hannah Gadsby, de 40 anos, conta como foi crescer na Tasmânia onde 70% das pessoas achavam que a homossexualidade era não só um pecado como deveria ser considerada um crime - como aconteceu até 1997. Conta como disse à mãe que era lésbica mas nunca, até agora, teve coragem de contá-lo à avó porque, apesar de fazer espetáculos onde fala abertamente sobre o assunto, no seu íntimo continua a sentir vergonha. Conta como foi violada por duas vezes e como foi espancada por um homem por ser, como ele lhe chamou, “uma aberração” e “uma paneleira de merda”. Conta como construiu uma carreira “à base do humor autodepreciativo”, humilhando-se voluntariamente em público, e como não quer continuar a fazê-lo. “Vou deixar a comédia”, anuncia, sabendo que é um paradoxo irresolúvel e até risível isso de se anunciar que se vai deixar a comédia a meio de um espetáculo de stand-up comedy.

“Quando saí do armário, a única coisa que sabia fazer era ser invisível e odiar-me. Demorei dez anos a perceber que podia ocupar um espaço no mundo mas, nessa altura, já o tinha transformado em piadas, como se não fosse nada de importante. Agora, preciso de contar a minha história como deve ser”, explica. Contar uma história com princípio, meio e fim; não em forma de piada. Porque “o riso é só o mel que adoça o remédio amargo”. O riso não é a verdadeira cura, percebeu.

E, já que estamos a ser sinceros, vamos lá falar de preconceitos e misoginia e machismo e de todas as outras mulheres que desde que o mundo é mundo são alvo de abusos vários. Vamos lá falar de Weinsten, de Bill Clinton, de Picasso. Também questionar o que é isso de fazer um "humor lésbico" e o que é isso de ser artista (toda a história em volta do Van Gogh é deliciosa). Nos momentos em que este ainda é um espetáculo de stand-up comedy, Hannah Gadsby é uma das mais corrosivas e certeiras humoristas que andam por aí e não é por acaso que Nanette se estreou em 2017 e ganhou prémios em vários festivais de humor até, em junho passado, chegar à Netflix e se tornar um verdadeiro fenómeno global. Nanette é também por isso uma lição de alguém que domina perfeitamente a arte da comédia e que decide desconstruí-la ali, à nossa frente. Pôr-nos a rir desbragadamente. E depois calar-nos. 

Na sexta-feira, em Montreal, Hannah Gadsby apresentou Nanette pela última vez. Ou pelo menos é o que ela diz. Se vai deixar a comédia? Isso não é importante. E o mais provável, ela já o admitiu, é que não desista. Mas talvez procure outros caminhos. “Não há nada mais forte do que uma mulher destruída que se reconstruiu”, avisa. Essa é a grande lição deste espetáculo. O que nos faz continuar, o que nos permite sobreviver é a ligação aos outros. Essa é a sua última palavra em palco: connection. Como quem diz: amor.

Este texto é uma adaptação de um texto que publiquei no passado domingo do DN.

Sobre Hannah Gadsby há muito para ler na internet. Aconselho-vos:

Entrevista à Vulture, em janeiro

Um texto da própria Hannah 

Este artigo no The Lily

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Gata às 19:12



Pesquisar

Pesquisar no Blog  




Mais sobre mim

foto do autor