Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


13
Set20

Tempos modernos

A Modern Man, de George Carlin

“I’m a modern man, a man for the millennium. Digital and smoke free. A diversified multi-cultural, post-modern deconstruction that is anatomically and ecologically incorrect. I’ve been up linked and downloaded, I’ve been inputted and outsourced, I know the upside of downsizing, I know the downside of upgrading. I’m a high-tech low-life. A cutting edge, state-of-the-art bi-coastal multi-tasker and I can give you a gigabyte in a nanosecond!
I’m new wave, but I’m old school and my inner child is outward bound. I’m a hot-wired, heat seeking, warm-hearted cool customer, voice activated and bio-degradable. I interface with my database, my database is in cyberspace, so I’m interactive, I’m hyperactive and from time to time I’m radioactive.
 
Behind the eight ball, ahead of the curve, ridin the wave, dodgin the bullet and pushin the envelope. I’m on-point, on-task, on-message and off drugs. I’ve got no need for coke and speed. I've got no urge to binge and purge. I’m in-the-moment, on-the-edge, over-the-top and under-the-radar. A high-concept, low-profile, medium-range ballistic missionary. A street-wise smart bomb. A top-gun bottom feeder. I wear power ties, I tell power lies, I take power naps and run victory laps. I’m a totally ongoing big-foot, slam-dunk, rainmaker with a pro-active outreach. A raging workaholic. A working rageaholic. Out of rehab and in denial!
 
I’ve got a personal trainer, a personal shopper, a personal assistant and a personal agenda. You can’t shut me up. You can’t dumb me down because I’m tireless and I’m wireless, I’m an alpha male on beta-blockers.
 
I’m a non-believer and an over-achiever, laid-back but fashion-forward. Up-front, down-home, low-rent, high-maintenance. Super-sized, long-lasting, high-definition, fast-acting, oven-ready and built-to-last! I’m a hands-on, foot-loose, knee-jerk head case pretty maturely post-traumatic and I’ve got a love-child that sends me hate mail.
 
But, I’m feeling, I’m caring, I’m healing, I’m sharing-- a supportive, bonding, nurturing primary care-giver. My output is down, but my income is up. I took a short position on the long bond and my revenue stream has its own cash-flow. I read junk mail, I eat junk food, I buy junk bonds and I watch trash sports! I’m gender specific, capital intensive, user-friendly and lactose intolerant.
 
I like rough sex. I like tough love. I use the “F” word in my emails and the software on my hard-drive is hardcore--no soft porn.
 
I bought a microwave at a mini-mall; I bought a mini-van at a mega-store. I eat fast-food in the slow lane. I’m toll-free, bite-sized, ready-to-wear and I come in all sizes. A fully-equipped, factory-authorized, hospital-tested, clinically-proven, scientifically- formulated medical miracle. I’ve been pre-wash, pre-cooked, pre-heated, pre-screened, pre-approved, pre-packaged, post-dated, freeze-dried, double-wrapped, vacuum-packed and, I have an unlimited broadband capacity.
 
I’m a rude dude, but I’m the real deal. Lean and mean! Cocked, locked and ready-to-rock. Rough, tough and hard to bluff. I take it slow, I go with the flow, I ride with the tide. I’ve got glide in my stride. Drivin and movin, sailin and spinin, jiving and groovin, wailin and winnin. I don’t snooze, so I don’t lose. I keep the pedal to the metal and the rubber on the road. I party hearty and lunch time is crunch time. I’m hangin in, there ain’t no doubt and I’m hangin tough, over and out!”
 
 
Descobri este texto através de um vídeo no Instagram do Ivo Canelas. Não conhecia o George Carlin, humorista que morreu em 2008, e ainda perdi algum tempo ver alguns dos seus sketches no YouTube. Tem algumas coisas muitos boas, outras nem por isso. Mas este Modern Man é qualquer coisa.
A propósito, fiquem a saber que Ivo Canelas está de volta com o espectáculo Todas as Coisas Maravilhosas. E já há sessões esgotadas. Eu já vi, mas gostei tanto que já comprei bilhetes para ir ver outra vez. 

publicado às 16:57

Eu já sabia. No primeiro dia do confinamento, quando me vi aqui enfiada em casa com os meus dois filhos e me apercebi da loucura que ia a ser a nossa vida, lembrei-me imediatamente: e as pessoas que estão sozinhas? Eu já sabia. Porque por muito que me queixe da minha vida, eu sei que são os meus filhos - com os seus gritos e discussões e preocupações e brincadeiras e tudo e tudo - que são o meu chão. Eu já sabia mas não há nada como ter a experiência da coisa para poder falar com conhecimento de causa: estou há seis dias a trabalhar em casa e não tenho cá os meus filhos. Eles estão de férias com o pai e estão muito bem. E eu precisava muito de estar de férias deles, admito. Mesmo. Precisava de descansar a cabeça e o corpo e sair desta rotina infernal de comidas e compras e nós todos juntos o tempo todo.  Mas uma coisa é estar sozinha quando se está de folgas e se anda a laurear a pevide (faço isso de vez em quando e é óptimo). Uma coisa é estar sozinha quando se tem uma vida normal de trabalho, num escritório, e se passa o tempo a falar com outras pessoas e depois até se vai jantar fora ou ao cinema ou beber um copo (tenho sempre alguns dias por ano assim). Outra coisa, completamente diferente é estar sozinha, a trabalhar em casa, sem ter ninguém com quem falar o dia inteiro, sem ter grandes opções ao final do dia, porque ainda está tudo com medo e não há filmes que interessem no cinema e os bares estão fechados e estamos todos em modo recolhimento. E ficamos assim só nós e o computador e o silêncio, um dia depois do outro. Não é bom, posso dizer-vos. Nada bom. É até bastante deprimente. Dá vontade de comer chocapic e gelado a todas as refeições, dá vontade de deixar a louça na pia e de nem fazer a cama, dá vontade de não fazer nada, na verdade. Claro que não foi isso que eu fiz, porque eu sou teimosa (e, pelo menos até ver, sã) e se me deprimo um dia, no dia seguinte já estou a arranjar maneira de arrebitar. Não me fiquei. Fui à feira do livro e ao teatro, falei com amigos, combinei encontros. Saí de casa só porque sim. Resisti. Mas foram só seis dias. Como seria se fossem seis meses? Teria eu conseguido não enlouquecer? 

Tags:

publicado às 12:20

ci·da·da·ni·a
Qualidade de cidadão.
 
ci·da·dão
1. Indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um estado livre.
2. Habitante de cidade. = CITADINO
3. Que é relativo aos indivíduos de um estado livre no gozo de direitos civis e políticos = CÍVICO
 
i·de·o·lo·gi·a
1. Ciência da formação das ideias.
2. Tratado sobre as faculdades intelectuais.
3. Conjunto de ideias, convicções e princípios filosóficos, sociais, políticos que caracterizam  o pensamento de um indivíduo, grupo, movimento, época, sociedade (ex.: ideologia política).

(do Dicionário Priberam)

Diz a famosa petição que "a disciplina de cidadania e desenvolvimento aborda assuntos que abusivamente se podem substituir aos pais na educação dos filhos, o que é inconstitucional". De acordo com as explicações que li por aí, a escola deve limitar-se a ensinar os factos, a ciência, sem transmitir qualquer ideologia.

Sobre isto tenho três coisas a dizer:

1. Eu gostava que me explicassem como é possível educar (ou sequer viver) sem ideologia.

A escola pública, como todas as escolas, está impregnada de ideologia. E ainda bem. Ensina-se ali a ideologia que está explícita na nossa Constituição e em toda a legislação (nada do que é ensinado na escola, seja sobre ecologia, regras de trânsito, igualdade ou casamento contraria as leis em vigor). Assim como a ideologia que está expressa na Declaração dos Direitos Humanos. Ensina-se a ideologia que é dominante ou aceite no momento. E que vai mudando, com o tempo. Porque as sociedades e os pensamentos vão evoluindo (nem sempre para melhor, mas pronto, isso já é outra conversa). A ideologia está presente nas aulas de História, de Ciências, de Português, de Cidadania e provavelmente até nas aulas de Educação Física e de Educação Visual. 

2. Não sei se já viram o programa de cidadania - deviam ir ver antes de falar. Eu, que acompanho de perto as aulas dos meus filhos, posso garantir-vos que a disciplina tem servido para eles tomarem contacto com ideias radicais e subversivas, como por exemplo perceber porque é que não se deve fazer bullying, como usar a internet em segurança, porque é que temos de lavar bem as mãos para nos protegermos do coronavírus, e outras coisas assim altamente controversas. 

3. Embora não o digam explicitamente, o problema dos senhores da petição não é com a cidadania nem sequer com a ideologia. O problema é com o sexo. É sempre. O sexo, esse grande papão.Tenho uma certa pena destas pessoas. Coitadas. São pessoas que acham que vestir um bebé de cor-de-rosa pode influenciar a sua orientação sexual. Ou que explicar aos adolescentes como se usa um preservativo pode fazer deles uns prevertidos. Deve ser muito triste viver assim, no pânico de ser contagiado por uma ideia mais arejada apenas com uma aula de 45 minutos por semana que lhes vá estragar todo o investimento no bolor com que estão a encafuar a cabeça dos filhos.

Tags:

publicado às 13:55

01
Set20

A vida acontece

Somos uma família muito pouco instagramável. Não fomos às grutas de Benagil nem ao glamping da Nazaré nem a nenhuma das magníficas praias fluviais do nosso país. Para dizer a verdade, e com muita tristeza minha, este ano não consegui tirar uma fotografia (uma que fosse) com os meus filhos. Ainda assim, apesar de não haver fotos que o provem nem possa sequer adiantar muito mais do que isto, quero deixar aqui escrito que as nossas férias-covid foram bem boas. A vida nem sempre cabe nas redes sociais e isso não é mau.

E, no último dia, quando eu menos esperava, uma amiga acenou-me com um bilhete para o concerto dos 75 anos de Sérgio Godinho. Fomos dar-lhe os parabéns e celebrar a amizade. Fiquei rouca de tanto cantar por trás da máscara, com os olhos húmidos e a garganta seca. Não me ocorre melhor maneira de acabar o verão e de voltar ao rame-rame do que a cantar isto:

"Só há liberdade a sério
Quando houver
A paz, o pão
Habitação
Saúde, educação
Só há liberdade a sério quando houver
Liberdade de mudar e decidir
Quando pertencer ao povo o que o povo produzir
E quando pertencer ao povo o que o povo produzir"

publicado às 10:09

18
Ago20

Desvio

Não há teenblogs. Há muitos babyblogs - textos e mais textos e fotos e mais fotos sobre essa coisa avassaladora que é ser mãe e sobre as mil peripécias, boas e más, dos filhos. Mas não há teenblogs. A partir de uma certa altura, não dá para dizer exactamente quando, não há uma regra, as vidas dos filhos deixam de nos pertencer, já não podemos dispor delas quando nos apetece, muito menos expô-las ao mundo. É uma coisa que sentimos mas também pode acontecer (como me aconteceu) que os filhos nos peçam privacidade. Não querem que publique as suas fotos e não gostam de ser assunto de conversa. É justo. Além disso, parece-me, não há teenblogs também porque é difícil falar sobre esta culpa que nos consome por eles não serem exactamente como nós sonhámos. Falo por mim, claro: passo horas a cogitar o que possa ter feito de tão errado para os meus filhos não serem perfeitos e a desfazer-me por dentro com a culpa de não saber como agir, quais as palavras certas, o que poderei ainda fazer para correr atrás do prejuízo. Ainda irei a tempo?

Um dia vou escrever sobre isto, provavelmente quando tudo já tiver passado, para o bem ou para o mal.

Talvez por isto tudo tenha gostado tanto deste Desvio, o livro de Ana Pessoa e Bernardo P. Carvalho. Saibam mais AQUI. É mesmo bom, garanto-vos.

download.jpg

publicado às 12:40

Fui ontem ver o espectáculo La Maquina de la Soledad, dos Microscopía Y Oligor, integrado no Descon'FIMFA, o festival de marionetas que está a decorrer em Lisboa. Uma hora e meia de puro deleite. Deixarmo-nos ir para dentro de uma história, sem pressas. Estava a precisar muito disto. Depois das minhas pessoas, com quem tenho procurado estar, apesar de todos os constrangimentos, tenho saudades de ir ao teatro e ao cinema - tantas vezes até ia sozinha - só para desligar da vida durante um bocadinho, só para sair de mim, ou, pelo contrário, para fazer uma introspecção, só para expandir o meu mundo, ou para desfrutar da beleza, ou para desafiar o pensamento, ou para me emocionar, ou para o que fosse.

Tags:

publicado às 16:23

28
Jul20

Sem mas

Foi morto mas a verdade é que era uma pessoa difícil e estava sempre a arranjar chatices.

Foi espancada mas a verdade é que ela era muito respondona e tinha a mania.

Foi atacado mas a verdade é que tinha um passado violento e até já tinha estado preso.

Foi violada mas a verdade é que andava sempre com roupas provocantes e a pavonear-se por aí.

Não.

A verdade é que não há justificação para estes actos. Temos de perceber isto de uma vez por todas. Nada no passado ou na personalidade ou na vida de uma pessoa justifica a violência.

Vem isto a propósito da morte de Bruno Candé que parece que era boa pessoa mas até podia não ser. Não é isso que está em causa neste momento. 

Uma pessoa que toma a decisão de sair de casa com uma arma e, a sangue frio, atirar quatro vezes sobre um homem, no meio da rua, à vista de todos, sem medo e sem hesitações, não tem desculpa. Não há nenhum mas que se possa pôr nesta frase.

É um assassino.

E se está louco é um louco perigoso e não pode andar à solta.

111186527_2719955844954418_1614759778032963089_n.j

publicado às 10:06

23
Jul20

Onde vais?

Uma das coisas más que aconteceu connosco durante esta pandemia foi a perda de privacidade. Primeiro porque nunca ninguém consegue estar verdadeiramente sozinho em casa. Não é que a nossa casa seja muito pequena, não tenho motivos para me queixar. Mas também não é assim tão grande. Nem temos varandas nem jardins nem nada disso. E portanto vivemos todos aqui entre a sala e os quartos. E, sim, é possível cada um estar na sua divisão e fechar a porta e isolar-se e até ter conversas telefónicas sem ser incomodado mas estamos sempre todos à distância de um grito e quatro passos. Além disso, antes (no antigamente de há quatro meses), todos nós passávamos muito tempo fora de casa e tínhamos cada um a sua vida e a sua existência individual. Agora estamos em casa, sem muitos motivos para sair. Somos como uma unidade e todos sabem sempre o que os outros estão a fazer. Então, quando eu quero sair de casa, como é uma coisa tão rara, há sempre alguém que pergunta: onde vais?, fazer o quê?, com quem?, quando tempo demoras? E não é que eu me importe de dizer aos meus filhos onde vou, nada disso, é só esta constatação de que perdemos a nossa privacidade. E apesar de isso não ser um drama (há coisas muito piores, eu sei) também não é uma coisa boa - nem para mim nem para os miúdos que, sobretudo nesta idade, deveriam ter direito ao seu próprio mundo longe de mim, para se descobrirem e para asneirarem longe do olhar da mãe.

São pequenas coisas que se vão alterando na nossa vida por causa do vírus. Não são só as máscaras e o gel. São estas coisas, quase invisíveis, mas que, estou certa, nos estão a mudar e moldar por dentro de maneiras que talvez só mais tarde iremos compreender completamente.

publicado às 20:43

Tínhamos o covid-19, tínhamos restrições financeiras e tínhamos um adolescente em plena fase tudo-o-que-for-com-a-família-é-um-aborrecimento.

Mas, por outro lado, tínhamos uma semana de férias em julho que, com a ajuda do layoff e das folgas devidas por trabalho no fim-de-semana anterior, se transformaram em 12 dias de descanso.

Pesando prós e contras, decidi que desta vez não iríamos ao Algarve e ficaríamos por casa. Em agosto logo se vê.

Para mim, só o facto de não ter horários, nem trabalhos da escola, nem nenhuma obrigação já é um descanso enorme. Eliminamos os principais focos de stress da nossa vida e tudo fica mais fácil. Mesmo. Aproveitei, então, para tratar de algumas burocracias que estavam pendentes e para fazer umas arrumações em casa (e muito ainda ficou por fazer). Os putos aproveitaram para dormir até mais tarde e jogar muita playstation. E depois tentámos, apesar do calor abrasador, sair de casa, apanhar sol e estar com alguns amigos. O António só se juntou a nós por um dia (tanto que havia a dizer sobre isto...) mas eu e o Pedro fomos várias vezes à praia na Costa da Caparica ou em Carcavelos, ao final do dia (depois das 17.00, às vezes depois das 18.00), só os dois ou com amigos, até ao pôr-do-sol, e por três vezes até conseguimos jantar na praia, ainda com areia nos pés e muitas gargalhadas à mistura. O Pedro está numa fase óptima (é aproveitar que isto vai passar, já se percebeu) e entre a prancha de bodyboard, os óculos de mergulho e a prancha de skimboarding, entretém-se na boa durante umas três horas.

Pelo meio, deixei o adolescente ir passar uns dias ao campo com os amigos, à sua vontade, e cometi duas extravagâncias:

Fomos os três por duas noites a um turismo rural perto de Santarém. Marquei isto há já algum tempo, aproveitando uma promoção, e ficou francamente acessível. Não era nada luxuoso mas tinha uma piscina e internet (foram as duas exigências dos miúdos), uma cozinha para preparar as refeições, muito silêncio e ar puro - tudo o que eu precisava para desintoxicar destes últimos meses fechada em casa.

E, neste último fim-de-semana, quando os miúdos estavam com o pai, fui passar uma noite a Tróia com um grupo de amigas. Éramos seis, todas a deixar maridos e/ou filhos, para conseguirmos pôr a conversa em dia, espairecer a cabeça e desfrutarmos deste tempo juntas, depois de tanto afastamento. Fomos no sábado logo de manhã, aproveitámos a piscina e a praia e voltámos a casa no domingo já à noite, todas bastante queimadas e muito felizes. Não me lembro da última vez que tinha feito uma coisa deste género mas já combinámos que havemos de fazer isto mais vezes. Porque foi mesmo muito bom.

Resumindo e concluindo: esta espécie de férias acabou por correr muito bem, muito melhor do que eu estava à espera, dentro do contexto. Descansei verdadeiramente a cabeça, estive com os miúdos sem zangas nem stresses, estive com alguns amigos de quem ainda estou a matar saudades e acabámos por nos divertirmos todos, eu e os putos, cada um à sua maneira.

Posso repeti-lo todos os anos e todos os anos será verdade: somos sempre mais felizes nas férias. Mesmo com uma pandemia e um baixo orçamento.

IMG_20200715_195632.jpg

publicado às 07:47

Estive a ver o documentário sobre a Joan Didion, na Netflix. Jornalista e escritora, Didion é a autora de O Ano do Pensamento Mágico, monólogo brutal sobre a morte e a perda que Eunice Muñoz interpretou há uns anos no Teatro Nacional D. Maria II, com encenação de Diogo Infante. Não conhecia mais nada dela e fiquei com muita vontade de ler as suas reportagens e ensaios e livros e tudo. Pareceu-me uma mulher do caraças.

[Também me fez pensar em mim e perguntar-me porque é que escrevo, aqui e não só. Não, não me estou a comparar à Joan Didion, não me interpretem mal. Mas gostava de ser suficientemente corajosa - e talentosa, para dizer a verdade - para escrever algumas coisas que gostaria de escrever. Talvez um dia. Talvez nunca. Who knows.]

Angústias existencialistas à parte, tenho aproveitado estes dias para ver outros documentários, também na Netflix. Não tenho visto nenhuma ficção. Estou numa fase "vidas reais". Gostei destes:

Frank Sinatra: All or Nothing - visão muito soft sobre o cantor, sem grandes escândalos nem Marilyn por perto, mas, ainda assim, como eu não sabia muito sobre a vida dele, gostei bastante.

Miles Davis: Birth of the Cool - o trompetista da voz rouca teve uma vida cheia de altos e baixos, eu não conheço nada de jazz mas, mais uma vez, gostei de ficar a saber montes coisas que não sabia.

Mucho, mucho amor: The legend of Walter Mercado - não fazia ideia quem era esta pessoa, nunca tinha ouvido falar dele, mas fiquei completamente fascinada por este artista e astrólogo de Porto Rico, figura andrógina e grande estrela da televisão hispânica nos anos 70, 80 e 90. 

publicado às 15:57


Mais sobre mim

foto do autor