Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Porque às vezes sinto que ninguém me entende.

sombrinha - chapéu-de-chuva de senhora
esgroviada - despistada
andar num aboiz - andar de um lado para outro/ apressado/ ocupado
ter o cabelo empessado - ter o cabelo emaranhado
maniento - convencido
hoje está cá uma calma - hoje está cá um calor
não dar notícia de - não se aperceber que/ não dar por
pupias - espécie de biscoitos grandes em forma de argola
a canalha - as crianças
manageira - chefe/ aquela que orienta ou organiza tudo
tem avondo - já chega
cagulo - excesso
pelar-se por - gostar de
apoquentado - preocupado/ aborrecido
amanhar - arranjar/ arrumar
mangar com - gozar com
desanda - vai-te embora
dar vazão - conseguir responder às solicitações
magana - velhaca
untar ou besuntar o pão - barrar o pão
não vale um chocalho de erva - não vale nada
almariado - enjoado/ tonto
bilha - vasilha (por exemplo: bilha do gás)
desmangaritado - partido
enxaguar - passar por água (a loiça ou a roupa)
ir à da... - ir à casa da...
não páras na canastra - não estás quieto
marrafa - risco no cabelo (ao meio, ao lado)
poial - degrau, geralmente à porta de casa
garganeiro - ganancioso/ açambarcador
paposseco - pão pequeno/ carcaça
migas - aquilo a que em Lisboa se chama açorda
açorda - sopa com pão duro e água. a mais conhecida é a açorda de alho (vulgo "sopa alentejana") mas também há de espinafres, de tomate, de beldroegas
Bia - diminutivo de Maria
ter lidação - relacionar-se com alguém
bajoulo - pedra grande
dar banho - tomar banho

(um grande obrigado a todos os que contribuíram. havemos de voltar a este assunto)

publicado às 10:14


25 comentários

Sem imagem de perfil

Patrícia 27.07.2010

E eu, meio algarvia, meio alentejana, fico é surpreendida por alguém não precisar de tradução. Aliás, nos últimos anos cá por Lisboa, tenho descoberto o quão diferente pode ser a lingua Portuguesa no sul e no centro do país. Acrecentava só a cruzeta. (e fazia assim uma referencia breve às palavras aqui tão inocentes e que lá por terras algarvias são tãaap feias).
Sem imagem de perfil

dora 27.07.2010

No Norte, também se usam algumas dessas expressões. Aqui, entre Douro e Minho, usam-se também canalha para designar crianças. E cachopos ou catraios. Diz-se também amanhar nesse sentido.Desandar, dar vazão, tudo igual. O maniento é que é algu
em cheio de manias, complicado, nõ necessariamente convencido.
Sem imagem de perfil

Anónimo 27.07.2010

Também encontro expressões iguais às do Norte... :) Bastantes até. :)
Sem imagem de perfil

Sofia Almeida ( Açores) 28.07.2010

Muitas destas expressões utilizamos aqui nos Açores.
Sem imagem de perfil

Anónimo 29.07.2010

Muitas dessas palavras também se usam no Algarve

Ficam mais umas

Alcagoita - Amendoim
Gaiato - Miudo
Moço pequeno - Miudo
Marafado - Zangado ou uma pessoa irrequieta
Magote de gente - Muita gente
Sem imagem de perfil

Anónimo 29.07.2010

Muitas dessas palavras também se usam no Algarve

Ficam mais umas

Alcagoita - Amendoim
Gaiato - Miudo
Moço pequeno - Miudo
Marafado - Zangado ou uma pessoa irrequieta
Magote de gente - Muita gente
Sem imagem de perfil

Maariah 29.07.2010

Gostei bastante do post, principalmente por não ouvir algumas destas expressões há algum tempo. Vou linkar este post, espero que não te importes.
Sem imagem de perfil

luisa 31.07.2010

Ora eu, que sou do Algarve, resolvi, hoje, vir "à da Gata Christie" para lhe "dar de vaia" e dizer que até nos regionalismos estas duas regiões são "manas".
Sem imagem de perfil

CGM 03.08.2010

Curiosamente beldroega na minha terra diz-se "baldorega" (sopas de baldorega)
Sem imagem de perfil

CGM 03.08.2010

E esta: "assomar"?

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor