Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



12
Out13

Décalage

Quando terminamos uma relação é provável que à medida que a tristeza passa e que a paixão se dilui, à medida que recuperamos a razão e voltamos a ver o mundo com clareza, é provável, dizia, darmos por  nós a pensar mas como é que eu gostei daquele gajo, ou mas como é que eu fui capaz de acreditar em, ou mas como é que eu não vi que, ou mas como é que eu me dei ao trabalho de, ou mas como é que eu fui tão tonta, até chegarmos aliviadas à conclusão que nos livrámos de boa, foi o que foi. O problema é que mesmo depois de sabermos isto tudo às vezes ainda leva algum tempo até o sentirmos.

Tags:

publicado às 20:53


2 comentários

Sem imagem de perfil

Paula 14.10.2013

Olá...venho aqui muitas vezes ler o seu blog e (infelizmente) conheço essa dor! Realmente passados quase 4 anos olho para trás e é mesmo isso "do que eu me livrei!"...mas o primeiro ano foi de muita dor e de muitos "porquês". Hoje é mais o "como é que me deixei levar", "como é que vivi com aquela pessoa" e muitos "porque é que...".
O tempo vai trazer toda a tranquilidade necessária para se voltar a ser feliz, para conseguirmos estar ao pé daquela pessoa (por causa das crianças) e nos ser completamente indiferente, quer de ódio quer de amor.

O tempo cura tudo...demora mas cura!

Jinhos
Paula
Sem imagem de perfil

Cristina 15.10.2013

Venho aqui muitas vezes, há muito tempo. Nunca comento mas gosto sempre muito de ler os posts. Mais. Em rigor, identifico-me muitas vezes com eles. Só que hoje foi diferente, não podia deixar de comentar porque passei por isso tudo, com todas as letrinhas. E o que posso garantir é que, de repente, quando damos por nós, passámos efectivamente do 'saber' para o 'sentir', e a partir daí é tudo fluído. Fluído e bom.
Um beijinho,
Cristina

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor