Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Hoje, ao conversar com um colega que acabou de se separar, ele falava-me da solidão que sentia em casa. Do silêncio insuportável. Das saudades dos miúdos. Do não ter nada que fazer. Das refeições para um. Falava e a cara dele era só tristeza. Compreendo-o perfeitamente. Imagino-me a dar em maluca numa situação dessas. Não são só as saudades que se tem dos filhos, é a perda de toda uma rotina. É quase como reaprender a viver. Mas, por outro lado, é igualmente desesperante nunca estar sozinha, não poder fazer qualquer programa sem crianças, ter que estar sempre a pensar no jantar e no supermercado e nas roupas e na escola e não ter ninguém com quem partilhar as responsabilidades ou os fins-de-semana ou alguma coisa que seja. É uma situação igualmente solitária, só que no caso dele, acredito, é só uma questão de tempo até ele perceber que pode sair de casa, ver outras pessoas, ir ao cinema, convidar amigos para jantar e ter uma vida normal nos dias em que não tem os filhos. No meu caso, não há escapatória possível. Não sei se consigo explicar isto sem parecer uma mãe desnaturada. Não é que eu não goste dos meus filhos e de estar com eles,que gosto. Não é que eu não consiga fazer isto sozinha, que consigo. É só que é muito intenso. E de vez em quando uma pessoa precisa de um intervalo.

Amanhã, pela primeira vez num mês, vou ter uma noite sem crianças. Uma conjugação de factores e uma tia simpática vão permitir-me ter uma noite inteira de folga. Não sei que vos diga. Estou quase tão entusiasmada com isto como eles estão excitados com o facto de irem passar uma noite fora de casa.

publicado às 20:28


3 comentários

Sem imagem de perfil

Enjoy the Ride 18.10.2013

precisando de uma babysitter, é só chamar :)
Sem imagem de perfil

Ines N 19.10.2013

tens que chamar mais vezes a tia...

*
Sem imagem de perfil

Ana 22.10.2013

Os primeiros tempos de uma separação, seja porque razão for, são sempre tempos de adaptação e de novas rotinas. No inicio, os fins-de-semana que estava sem as crianças pareciam nunca acabar, a casa vazia, silêncio... hoje ao fim de 3 anos sabe-me pela vida esse tempinho para mim. Dormir, ir ás compras sozinha, passear, sair à noite, estar com amigos... tudo isto contribui para uma sanidade mental que ajuda a enfrentar os dias. E não, não sou (não me considero) mãe desnaturada por gostar tanto (e por vezes asiar mesmo) por esses bocadinhos só meus, sem sentimentos de culpa. :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor