Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Às duas ou três pessoas que me querem dar prendas de Natal e não sabem o que me oferecer: eu sei que estavam a considerar dar-me perfumes e malas caríssimas mas, para falar a verdade, ficaria mesmo feliz se recebesse algum destes livros:
- a autobiografia da Agatha Christie
- as memórias do Churchill
- a biografia do Luiz Pacheco
E umas peúgas também davam um certo jeito (não estou a brincar).

Tags:

publicado às 11:12

No Sound & Vision, o Nuno Galopim está a organizar um mês dedicado aos clássicos da Disney. Esta foi a minha contribuição:

Uma das coisas más de ter crescido numa terra onde não havia cinema e num tempo onde não havia cassetes de vídeo, muito menos DVD ou YouTube, é que, em criança, não tive oportunidade de ver nenhum dos filmes da Disney. Para mim, Cinderela e Branca de Neve eram apenas personagens de livros coloridos. Mas isto também pode ter sido uma coisa boa. Acabei por ver alguns desses filmes muito mais tarde e de uma forma completamente diferente. Ver 'A Bela e o Monstro' quando se está na faculdade e com uma crise amorosa é outra coisa. Ver 'Bambi' quando se tem um filho no colo é uma dor inexplicável. E ver 'Dumbo', de 1941, com cenários a aguarelas e desenhos tão simples, quando já se assistiu a filmes em 3D, tem qualquer coisa de regresso à infância (mesmo que essa infância não tenho sido povoada por filmes da Disney). Precisamente, a primeira coisa que me agrada em 'Dumbo' é essa simplicidade e essa ingenuidade, nos desenhos e na história (são apenas 64 minutos), que entretanto se perdeu nas grandes produções de animação de hoje. Aqui não há subtextos complicados nem piadas que só os adultos entendem. Este é um filme para os mais pequenos. E para que isso fique bem claro tudo começa com uma cegonha a trazer o pequeno Dumbo à sua mãe. A partir daqui conta-se a história do maravilhoso elefante bebé de orelhas gigantes, ostracizado pelos da sua própria espécie e gozado por toda a gente que, com a ajuda do amigo rato, descobre que consegue voar e que, portanto, tal como o patinho feio, aquele seu "defeito" é afinal uma enorme vantagem. Uma história cheia de mil lições - que as aparências não importam, que ser diferente não é mau, que não se deve gozar com os mais fracos, que podemos encontrar a amizade nos sítios mais improváveis, até mesmo num pequeno rato que, reza a tradição, não se costuma dar com os elefantes. Que temos que acreditar nas nossas potencialidades (e quem já viu um elefante a voar não se surpreende com mais nada, como diz a música). Que uma mãe defende o seu filho contra tudo e contra todos. Venham de lá essas lágrimas, que também é por isso que gostamos dos filmes da Disney, seja qual for a nossa idade.

(texto publicado em http://sound--vision.blogspot.com/ no dia 1 de dezembro)

Tags:

publicado às 11:00


Mais sobre mim

foto do autor