Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Vamos lá ver, eu gosto dos carrosséis e das montanhas russas e dessas brincadeiras, gosto mesmo. E a maioria das diversões que experimentámos eram muito fixes. Mas não gosto de multidões e não gosto de filas - sobretudo não gosto de filas que duram quase ou mais do que uma hora. E não gosto de gente mal-encarada. Eu imagino que não seja fácil trabalhar ali todos os dias, a ouvir aquela musiquinha e a aturar turistas barulhentos e putos birrentos, mas pedia-se um pouco mais de sorrisos e de simpatia e de "magia", a tão falada magia da Disney, afinal, aquilo é suposto ser um mundo de encantar. Pedia-se um pouco mais de mickeys e de patos donalds a percorrerem o recinto para animar a criançada. Umas surpresas aqui e ali. Pedia-se um pouco mais de ilusão e de felicidade, imagino que seria isso que o senhor Walt Disney gostaria.

E quanto à parada, aquela para a qual as pessoas esperam mais de meia hora sentadas no chão e depois acotovelam-se para chegar à frente e filmar tudo como se fosse uma maravilha... antes de ir, uma amiga avisou-me que a parada da Disney parecia o carnaval de Torres Vedras. Eu achei que era piada mas não era. Nunca fui ao carnaval de Torres Vedras mas acredito mesmo que seja melhor do que aquilo. Uma pessoa vê aqueles carros alegóricos a passar e não acredita. A sério? É isto a grande parada da Eurodisney?

Dito isto, os miúdos adoraram. Adoraram tudo. Gostaram do palácio da Bela Adormecida e das chávenas da Alice, das grutas dos piratas, dos tiros do Buzz Lightyear e da viagem do Star Wars, dos hamburgueres manhosos e dos bonecos que desfilaram à sua frente com um sorriso postiço, das pipocas, do algodão doce e das pistolas dos Piratas das Caraíbas que comprámos à saída. De tudo. E só por isso valeu a pena.

Na sexta-feira, estivemos na Disney das 10.30 da manhã às 9.00 da noite. Está visto e não tenciono voltar.

publicado às 21:41


Lauren Bacall (1924-2014)

publicado às 13:24

Conhecemo-nos na fila do check-in, às 5 da manhã de quinta-feira. As crianças numa excitação com a viagem de avião, a Cecília com cadernos e lápis de cera para eles se entreterem no voo. Aprenderam a dizer 'pardon' e 'merci', com uma pronúncia irrepreensível, e depois, já todos amigos, a excitação continuou com o comboio e com o metro e com as ruas de Paris, com eles a absorver todos os detalhes. Se mais nada houvesse, só esta experiência de viajar e de explorar uma cidade estrangeira seria valiosa para eles.
 

Nessa tarde, ficámo-nos pelo nosso bairro e fomos ao Centro Georges Pompidou onde nos deliciámos com a vista sobre a cidade e ainda vimos uma parte da colecção de arte contemporânea. Claro que não deu para ver tudo, tudo nem para ver com muitos pormenores, mas acho que as crianças se divertiram. Havia muitas peças sobre a guerra, as várias guerras. Lá aproveitámos para dar uma explicações. E numa delas até pudemos deixar a nossa marca:

 

 (no entretanto, como já repararam, fui-me tornando especialista em tirar fotografias a pessoas de costas)

publicado às 11:18


Mais sobre mim

foto do autor