Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quando eu comecei a trabalhar, como toda a gente que começa, não escrevia sobre nada realmente importante. Ficava com os trabalhos que os outros não queriam ou de que mais ninguém se lembrava. Entrevistava artistas em início de carreira, escritores que estavam a publicar o seu primeiro romance, actores que ainda nem revelação eram, companhias de teatro que se apresentavam em garagens gélidas, estreantes em todas as áreas. O tempo passou. Hoje, algumas dessas pessoas que ninguém conhecia são escritores premiados, actores famosos, gente que toma decisões, que representa o país em certames internacionais, artistas elogiados, diretores de teatro.

Entrevistei o Tiago Rodrigues pela primeira vez em 1999:

tiagorodrigues.jpg E agora aqui está ele, no Nacional.

A minha geração está a chegar ao poder. Eu não ganho nada com isso mas não consigo evitar sentir-me um bocadinho feliz.

publicado às 17:52

Sentada na minha secretária, com auscultadores nos ouvidos, até me arrepiei a ouvir os cantores de Serpa a cantar o 'Alentejo, Alentejo', lá em Paris, logo depois de a Unesco ter aceite a inscrição do cante como património cultural imaterial da humanidade. Parabéns. A todos os que cantam. A todos os que trabalharam nesta candidatura. A todos nós, alentejanos. O fado pode ser muito bonito, pois pode, mas não é coisa nossa.

(e agora arrepio-me outra vez a ouvir isto, como sempre, aliás)

publicado às 10:46

Num daqueles momentos de loucura saudável, decidi que seria giro irmos ver os acrobatas de Pequim, mesmo sendo num dia de semana, mesmo sendo no dia em que o Pedro tinha natação e o António um treino de futebol que terminava às 20.30. O Pedro tomou banho na piscina, o António nem por isso, vestiu-se no carro e foi já a caminho do CCB que jantámos umas sandes com sumo e biscoitos como sobremesa. O espetáculo durou duas horas, chegámos a casa já tarde, os putos estavam mais do que ensonados e acho que se deitaram sem lavar os dentes. Esta manhã o acordar foi mais difícil. Mas valeu a pena. Porque nos divertimos. E porque foi muito bom ver as caras deles, de felicidade e espanto, perante cada novo número, cada vez mais espectacular. Cambalhotas, contorcionismo, equilíbrio, saltos de todas as maneiras e feitios, com um, com dois, com muitos.

Quando eu era pequena sabia fazer o pino, encostada à parede mas fazia. Agora nem me atrevo a tentar. Mas lembro-me bem da sensação. É tão bom fazer o pino.

publicado às 22:10

25
Nov14

Só para avisar

Já comi a primeira azevia da época.

publicado às 19:49

24
Nov14

Fazer o pino

Precisava de mais tempo nos meus fins-de-semana. Nos outros dias também mas os fins-de-semana parece que passam sempre a correr.

Tudo começou com José Sócrates a ser preso e nós sem sabermos de nada, com a televisão desligada, entretidos a rir e a conversar com uma grupeta de amigos que ocupavam os sofás, as cadeiras e os bancos lá de casa, a comer uma das melhores lasanhas do mundo e um pudim de chorar por mais. Conhecemo-nos há quase 15 anos, no mestrado na faculdade de letras. Hoje eles já são todos doutores ou quase doutores ou pós-doutores e eu nem o mestrado acabei. Mas tudo bem. Encontramo-nos uma ou (com sorte) duas vezes por ano e é sempre como se ainda estivéssemos numa aula de história do teatro ou dramaturgia ou o que fosse. As conversas encadeadas umas nas outras. Chegar ao fim da noite já a combinar o próximo jantar para daqui a seis meses.

Depois, entre os trabalhos de casa que nos ocuparam a tarde inteira no sábado e um domingo passado em família, no Alentejo, numa espécie de ensaio geral para o natal (sim, sim, já estou a pensar no natal), conseguimos ir ver Timber!, o espetáculo que os canadianos do Cirque Alfonse trouxeram ao São Luiz. Uma pequena maravilha que, além de ser de uma imensa beleza,  deixou os putos de olhos esbugalhados com as acrobacias, malabarismos e mortais variados. O António, que já sabia fazer o pino, está dedicado a conseguir andar com as mãos no chão e os pés no ar (o que me faz temer pelo que irá acontecer depois de, amanhã, irmos ver os acrobatas de Pequim...).

Timber©Nicolas Descôteaux (7).jpg  Timber©Nicolas Descôteaux (9).jpg
(além disso, foi também uma oportunidade para testar, ao vivo e a cores, aquela ideia, que está agora na moda, do "lumbersexual". Como dizia um amigo meu, não é bem a minha chávena de chá, mas percebo a ideia)

Precisava de mais tempo nos meus fins-de-semana. Ontem, ao voltar do alentejo, noite cerrada apesar de serem apenas seis da tarde, a chuva que não parou a viagem inteira, os putos a dormirem lá atrás, só pensava em como tenho tanta sorte por ter tudo o que tenho e por poder fazer todas as coisas que faço, e em como, se tivesse mais tempo, poderia fazer tantas coisas mais e estar com tantas mais pessoas e fazer tudo com mais calma. Às vezes, na vida, também precisamos fazer o pino. Virar tudo do avesso, uma e outra vez, as vezes que forem necessárias.

publicado às 16:05

 TanitaTikaram, 'One Kiss'

Tags:

publicado às 18:05

21
Nov14

Insónia

Sou só eu. Mesmo que haja mais alguém, ou mesmo que haja muita gente à nossa volta, para eles sou só eu. Para o bem e para o mal. Sobretudo para o mal. E isso às vezes pode ser avassalador. Ninguém deveria ser mãe/pai sozinho.

E, não, embora isso seja importante, não estou só a falar da falta de fins-de-semana só para mim.

publicado às 09:21

Depois de doze dias em casa, o Pedro tem finalmente autorização para ir à escola.

publicado às 19:37

Um lanche com panquecas. Outro com sandes de presunto. A pizza que o Pedro ajuda a fazer para o almoço. A gelatina para a sobremesa do jantar. Folhear o livro de receitas à procura de um bolo que me apeteça experimentar. Hamburgueres no pão em frente da televisão para ver a selecção jogar.

O António a contar-me os filmes do Indiana Jones que viu em casa do avô, a fazer sons, a agitar um chicote imaginário, a sacar da pistola, num teatro fabuloso.

O Pedro a cantar numa língua macarrónica todas músicas em inglês que ouvimos no rádio do carro.

Falar ao telefone, afinal, também pode ser bom.

publicado às 00:32

Band Aid 30, 'Do They Know it's Christmas Time?'

publicado às 11:16

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor