Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nunca gostei de revistas femininas. Essas revistas muito activas e maximas e assim existem desde que me lembro e já existiam antes de eu me lembrar, mesmo que com outros nomes, e todas elas se dirigem às mulheres modernas. Ah, as mulheres modernas! Nos anos 60 eram as que usavam aspirador e tinham máquina de lavar roupa. Hoje em dia usam telemóveis com a kitty e cozinham com a bimby. Seja como for, as revistas são sempre para as mulheres modernas, as mulheres do futuro, essas que vão mandar no mundo (essa eterna promessa por concretizar), que não se acomodam, que são tudo e mais alguma coisa. E também são sempre revistas sobre moda e cremes para a pele, que têm fofocas e sapatos, que falam da família e da casa, esses assuntos de mulheres. Já se sabe. Mesmo quando, como agora, as revistas já não querem ser femininas, querem ser feministas. Mas são exactamente iguais às outras só que em vez de guisados têm receitas com aveia e em vez de aeróbica falam de corridas mas na verdade continuam a falar de "assuntos de mulheres". E depois, porque a mulher moderna já não se contenta em ser só mãe e dona-de-casa (há quanto tempo ouvimos isto?), a mulher moderna também se interessa por economia e política e outros temas ditos sérios, essas revistas fazem uma selecção de notícias da actualidade para as mulheres, para que elas não tenham muito trabalho a ler os jornais que os homens lêem, que são uma maçada, ou para que olhem para o mundo como só as mulheres sabem fazer, com aquele olhar sensível, enquanto sonham com os filhos que vão ter e fazem depilação definitiva.

Não gosto de revistas femininas mas não tenho nada nada contra quem gosta. Se querem ler revistas femininas, leiam. Por mim, pode haver revistas femininas e outras de bricolage e outras só sobre musculação e outras só sobre peixes, não me interessam mas não me chateiam nada. Só não lhes chamem feministas. Nem digam que são publicações que defendem as mulheres ou que contribuem para o fim das discriminações.

Não gosto de revistas femininas - tal como não gosto de exposições só com mulheres nem de outras coisas do género -  e acredito que a única maneira de acabar com a discriminação é não discriminar. É integrar. É não fazer coisas de mulheres. É não fazer cantinhos para as mulheres. É pôr as mulheres em pé de igualdade com os homens. É tratar as mulheres exactamente da mesma maneira que se tratam os homens, com o mesmo grau de exigência, sem paternalismo, sem dizer isto são coisas delas (ah, que engraçadinhas que elas são). É que tirando o período, a gravidez, o parto e a amamentação não me estou a lembrar assim de mais nenhum assunto que seja só de mulheres (e mesmo esses já não o são, ou pelo menos seria desejável que não o fossem).

É assim como dizer que as pessoas votaram na Marisa Matias só por ela ser mulher. Mas, pronto, esse debate fica para outro dia.

publicado às 10:43


Mais sobre mim

foto do autor