Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Lembram-se disto?

A reportagem foi finalmente publicada aqui.

E a foto em baixo foi roubada ao Papalagui, porque acho que tem tudo a ver. Vão lá ver as fotos que o Nuno tira para perceberem do que é que estou a falar.

DSC09203.JPG

publicado às 23:15

Esta semana fui com o António estudar para o teste de história no Museu do Aljube. E depois contei tudo no Quarto das Brincadeiras. É sempre bom ter uma oportunidade para lhes falar da importância da democracia e da liberdade. O teste é hoje, espero que lhe corra bem (estamos em plena época de testes, isto não tem sido fácil).

Hoje é Dia Mundial da Dança. Esta noite, estreia o Romeu e Julieta, espetáculo de Rui Horta com a Companhia Nacional de Bailado. Não é ballet, ficam já avisados. Mas é mesmo muito bom. 

Hoje é também o dia em que Samuel Úria apresenta o seu novo disco, Carga de Ombro, num concerto no São Luiz. O Samuel Úria é um daqueles músicos de quem é quase impossível não gostar. É inteligente e bom conversador, com a dose certa de referências e de intelectualismo sem arrogância e com algum humor. Além disso, este disco é muito bom. Vejam-no aqui, a cantar um dos temas novos:

Gostava de ir ver o Úria mas prefiro ir terminar o dia com a minha amiga Cecília, que faz hoje 40 anos. Parabéns, minha lindeza.

Hoje é sexta-feira e está sol.

publicado às 12:46

29
Abr16

Ubertaxi

Nunca usei a Uber. 

Nunca usei a Uber mas sou doutorada em taxis. E já apanhei de tudo. Carros a cair de podres. Carros sujos, que cheiram mal, sem ar condicionado, com o ar condicionado no máximo. Vidros que não abrem, vidros que não fecham. Os bancos da frente chegados para trás e quase não nos conseguimos mexer - nem ver o taxímetro.Taxistas com as unhas pretas. Que cheiram mal. Que falam ao telefone enquanto estão a conduzir e com clientes no taxi. Que saem do carro para cumprimentar colegas nos outros carros. Que saem do carro para discutir com outros condutores. Taxistas mal educados. Que começam a bufar quando nos vêem a entrar com um bebé no ovinho e perguntamos pelo cinto. Cintos que não funcionam. Cintos que nem sequer lá estão. Taxistas que protestam porque a corrida é curta, ou porque está trânsito, ou porque já trabalharam muitas horas. Taxistas que dizem palavrões. Que vão o caminho todo a remoer porque queriam era ter apanhado a outra chamada que ia para Paço de Arcos. Que insultam os imigrantes. Que sabem onde eu trabalho e aproveitam para dizer que os jornalistas são todos uns aldrabões. Taxistas que fumam nos carros. Taxistas que ouvem a Rádio Amália em altos berros. Ou que nos obrigam a ouvir o terço da Renascença. Taxistas que nunca sabem o caminho. Taxistas que se armam em espertos e acham que sabem sempre tudo. Os que se fingem de parvos a ver se nos enganam. Os que dão voltas a mais. Os que tentam mesmo enganar-nos às claras. Taxistas que não têm troco (e ainda sou do tempo em que havia uns taxistas que achavam que não tinham que ter troco sequer de dez euros e diziam: tem que ir ali ao café trocar, e eu ia). Taxistas que cobram taxas que não existem. Que fazem má cara por terem de abrir o porta-malas. Que não querem passar factura. Que dão uns papéis aos estrangeiros a dizer que são facturas mas não são. Que se enganam nas contas. Que demoram mais tempo a dar o troco a ver se a gente diz que não é preciso incomodar-se.Taxistas que andam a pisar ovos. E outros que julgam que estão a conduzir um carro de corrida. Taxistas que passam sinais vermelhos. Uma pessoa entra num taxi e nunca sabe o que vai apanhar. É tipo roleta russa mas ao contrário. De vez em quando, esporadicamente, sentimo-nos bem tratados e corre tudo lindamente. Na maior parte das vezes sentimo-nos reféns. Entrámos ali e agora não temos maneira de sair, é aguentar caladinhos se não ainda somos insultados. Se não gostamos da maneira como somos atentidos num café ou numa loja podemos não voltar lá. Com um taxi não existe essa opção. Só depois de entrarmos e fecharmos a porta é que olhamos para a cara do taxista e não queremos acreditar, oh, não, é este outra vez. E aguentamos, outra vez, caladinhos a ver se conseguimos chegar ao nosso destino sãos e salvos.

Sei que estou a ser injusta, há com certeza muitos taxistas bons, muita gente honesta nesta profissão, como em todas. Mas infelizmente existem todos os outros, que são muitos e são os que ficam na nossa memória. Se não tivesse que ser, por motivos profissionais ou porque às vezes me dá mesmo, mesmo jeito, não andaria de taxi.

Nunca usei a Uber mas já estive mais longe de o fazer.

Tags:

publicado às 09:22

Em 2012, Anne-Marie Slaughter escreveu um artigo na The Atlantic em que falava de como tinha deixado um trabalho de sonho, pelo qual lutara durante toda a carreira, para poder estar mais tempo em casa, com os filhos adolescentes, e em como isto a tinha deixado a pensar nas opções que as mulheres tinham e se seria ou não possível conciliar a vida familiar com uma aposta séria numa carreira profissional. O artigo chamava-se "Women can't have it all" e só o título dizia tudo. Depois, ela recebeu imensas mensagens de outras mulheres e também de homens a contar a sua experiência, deu inúmeras palestras e continuou a reflectir sobre este tema. Como resultado disso, no ano passado, publicou um livro, que agora ganhou uma edição portuguesa: "Uma Questão em Aberto: Mulheres, Homens, Trabalho, Família" (Temas e Debates). Mais uma vez, o título diz tudo. E, mais uma vez, ela levanta questões muito pertinentes. Aconselho-vos a lerem o livro, mas deixo aqui algumas ideias que me parecem relevantes:

 

Anne-Marie Slaughter refere-se a uma realidade um pouco diferente da nossa: nos EUA não há licenças de maternidade pagas com a dimensão das nossas (muito menos como as dos países nórdicos), não há a opção de tirar dias para "apoio à família" e os trabalhadores têm muito menos férias do que nós. Além disso, a protecção laboral é quase inexistente - para os trabalhadores em geral, para pais e mães em particular. Haverá patrões mais compreensivos e há profissões onde as coisas são mais fáceis de conciliar mas, de uma maneira geral, é o salve-se quem puder. E também não há muitas ajudas sociais (creches, escolas, apoios à família). Assim se explica que muitas mulheres optem (quando o podem fazer) por, depois de serem mães, ficar em casa com os filhos, fazendo uma pausa (quando não mesmo colocando um ponto final) na sua carreira. E depois voltando ao trabalho num modo light, sem esperar chegar ao topo da carreira. 

 

Esta é uma realidade que está a mudar. E é precisamente pelo facto de muitas mulheres quererem manter a sua carreira, mesmo depois de serem mães, que estas questões se tornam mais urgentes. Por cá, as coisas não são bem assim mas no fundo também são, por isso tudo o que ela diz acaba por fazer sentido para nós.

 

Uma das grandes diferenças do livro em relação ao artigo de há quatro anos: aqui o papel do pai é muito mais valorizado. No artigo, Anne-Marie deixava implícito que havia uma ligação umbilical entre mães e filhos que fazia com que as mães, mesmo quando tinham oportunidade para voar, preferiam não o fazer, não por qualquer imposição social, mas porque sentiam-se melhor assim. Este terá sido um dos pontos mais discutido no artigo. Aqui ela vai mais longe. Olha para outras famílias (por exemplo, para casais LGBT). E tenta pôr-se no lugar dos pais - os que são pressionados para trabalhar e sustentar a família e também não têm a liberdade de sair mais cedo do trabalho para ir à festa do filho com medo de serem mal-vistos no escritório; e os que tomam a opção de ficar em casa com os filhos, enquanto a mãe está a trabalhar no duro, e são olhados como pessoas extraordinárias, quase como animais do zoo, quando, na verdade, estão apenas a ser pais tal como as mães são mães. (é aquela velha ideia: uma mãe que não deixa de ter vida própria é criticada e apelidada de egoísta, a um pai basta-lhe trocar uma fralda para já ser elogiado como um pai fabuloso). Há, portanto, muito a mudar, também para os homens. E se estamos a falar de igualdade, isto é importante. Sobre este assunto, o marido de Anne-Marie Slaughter também já tinha escrito um belo artigo.

 

Outra ideia em que ela insiste bastante: a importância do cuidar (dos filhos, dos mais velhos, dos doentes). A tarefa de cuidar, que é tradicionalmente feminina, tem sido muito pouco valorizada ao longo da história. Uma coisa anda de mão dada com a outra. Mas Anne-Marie vai muito mais além, propondo uma alteração de mentalidades profunda: se precisamos de ter mais crianças, se temos cada vez mais idosos na nossa sociedade, se cuidar é assim tão importante porque não é uma profissão valorizada e paga de acordo com essa importância? Este é um longo caminho que temos pela frente. 

Mais uma vez, não sei se concordo com tudo o que ela escreve, até porque há coisas em que nunca tinha pensado, mas há, decididamente, uma série de ideias neste livro que vale a pena deesenvolver. Ela faz-nos pensar muito na ideia de carreira e nos ritmos dessa carreira. Faz-nos pensar no tipo de trabalhadores que somos ou que queremos ser (e que trabalhadores é que os patrões querem ter nas suas empresas?). Faz-nos questionar os critérios que usamos habitualmente para dizer o que é um bom empregado/a. E - e isto também é muito importante - retira a carga de culpa que habitualmente as mulheres carregam sobre si, dizendo-lhes: se vocês não conseguiram aquele emprego ou aquela promoção pelo facto de não estarem disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana, a culpa não é vossa, não são vocês que têm de mudar, é o vosso patrão que está errado! (ou, em linguagem comum, não temos que nos comportar "como homens" para chegarmos ao topo da carreira, ser competente num trabalho não pode significar o fim da nossa vida privada, com filhos ou sem eles).

 

E, embora saibamos que estas são mudanças que acontecem lentamente e que em certos sectores da sociedade é pouco provável que aconteçam nos próximos tempos, ela propõe-nos um plano de acção - o que podemos fazer para que as coisas mudem realmente em vez de nos estarmos só a queixar? A mim parece-me que Anne-Marie Slaughter é demasiado optimista (e apetece dizer que é fácil falar quando temos determinadas condições privilegiadas - leia-se dinheiro, nisto, como em tudo, ter ou não dinheiro faz toda a diferença) - mas ainda assim é bom ler, virar as ideias do avesso e perceber que esta é uma luta que só será ganha quando todos (homens e mulheres, patrões e empregados, novos e velhos) estiverem empenhados nela. Isto, claro, se quisermos ter uma sociedade mais igualitária. Uma sociedade melhor.

anne-marie.jpg

publicado às 13:11

Esta é aquela altura do ano em temos de pagar o IMI e o seguro do carro. Não vamos pensar muito nisso. Esta é aquela altura do ano em que o nosso calendário familiar, que está pendurado na porta do frigorífico, vai já até agosto e à palavrinha mágica: férias. É aquela altura do ano em que olhamos para os dias que aí vêm e vemos muitos testes e muitos trabalhos para entregar, mas também vemos feriados, festas de aniversário, semanas de praia, semanas de campo, torneios de futebol e dias de sol que iremos aproveitar o melhor que soubermos. É aquela altura em que, mesmo sem termos dinheiro para nada, começamos a sonhar com todas as coisas que gostaríamos de fazer e todos os locais que gostaríamos de visitar. Se não for este ano é no próximo. Ou no outro. Isso é certo. Temos um mealheiro que tarda em ficar cheio e temos um objectivo mais ou menos realista a cumprir: uma pequena viagem daqui a dois anos, quando o Pedro terminar o 4º ano, ainda não sabemos muito bem aonde. Eu gostaria que fosse a Londres mas os putos não estão convencidos, parece que preferiam algo com montanhas-russas e assim. Olhar para um calendário e sonhar também é uma maneira de sermos felizes.

DSC_0149.JPG

publicado às 17:19

DSC_0148.JPGCrianças a brincar no terraço.

Mãe refastelada no sofá.

Nova tag: eles crescem. 

publicado às 18:07

Pedro e a Hope. Os passarinhos. O silêncio. O sol. O alentejo. (saudades).

publicado às 11:46

prince.jpg

Saí do jornal à pressa, já atrasada, atarantada. Prince tinha acabado de morrer e os meus filhos quase a sair da escola. Prince tinha acabado de morrer e a mim apetecia-me ter uns 16 ou 17 anos e fechar-me no quarto com uns phones nos ouvidos e ouvi-lo outra vez, mais uma vez, com aquela voz inconfundível. Entrei no metro, rodeada de pessoas e próximas paragens, e eu a lembrar-me das tantas vezes em que dancei o Kiss, o Get Off, o Cream, o Purple Rain. E agora há o treino e os banhos e o jantar e a cozinha por arrumar e enquanto isso ele a tocar guitarra na minha cabeça. Que parvoíce isto de se ficar triste com a morte de alguém que não nos é próximo, pensava. E no entanto.The most beautiful girl in the world. This Could Be Us. When Doves Cry. Na batalha entre Michael Jackson e Prince, eu sempre fui pelo Prince. Não há moonwalk que bata aquele menear de ancas. Sexy MF. As músicas mais sensuais do mundo são as do Prince. Músicas para empernar com as minhas miúdas (não há outra maneira, amigas, vocês sabem como é). Diamonds and Pearls. I Would Die 4 You. U Got the Look. Alphabet St. Diamonds and Pearls. Tantas. Uma meia leca de gente e tanto talento ali. Ele não precisava dos tacões altos para ser o maior. E era livre. Era o que eu achava, era o que eu sentia quando o via e ouvia. E também eu me sentia livre a dançar com ele.

Ainda não tive tempo para ler muito do que se escreveu nestas horas, mas gostei de ler este texto do Vítor Belanciano.

Vejam-no AQUI que também é uma delícia. 

Adenda: o que tenho a dizer sobre Get Off e outras escolhas de Prince na Máquina de Escrever.

publicado às 22:34

16
Abr16

Des-ensinar

O meu filho, que tem 12 anos e está no 6º ano, tem um trabalho de ciências para fazer: 10 páginas em letra Arial 12 sobre vacinas. Leram bem: 10 páginas em letra Arial 12 sobre vacinas. Fiquei estupefacta, mandei-o confirmar com a professora se 10 páginas seria o mínimo ou máximo. Ele confirma que são "no mínimo" 10 páginas. Não sei o que a professora lhe disse mas o rapaz ficou tão obcecado com estas regras que nem na folha de rosto do trabalho quer pôr uma letra um bocadinho maior, porque "a setôra não deixa". Eu até acho que os miúdos aprendem muito melhor as matérias se fizerem trabalhos em vez de testes. Mesmo. Mas isto não é normal. No ciclo eu fazia fantásticos trabalhos em cartolina, com desenhos, colagens e pequenos textos, que depois colocávamos na parede da sala de aula. 10 páginas tinham alguns dos meus trabalhos universitários. A professora de ciências espera que ele produza sozinho um trabalho de 10 páginas em Arial 12 (com umas imagens lá pelo meio, vá, só para ficar mais bonito)? A professora quer que o miúdo escreva 10 páginas sobre vacinas sem ir copiar parte do texto a sites científicos com coisas que ele não tem capacidade para perceber? Não seria melhor ele fazer só 5 páginas mas com coisas que ele efectivamente compreendesse? Ah, já sei, a professora quer avaliar os pais dos alunos, é isso? A professora vai ler todos os 30 trabalhos de 10 páginas em Arial 12 destes alunos (e mais os das outras turmas) com atenção ou vai só dar uma vista de olhos para ficar com uma ideia do que eles fizeram? Tantas dúvidas, tantas dúvidas.

Fico doida com estas coisas. Só espero que ele aprenda alguma coisa com esta empreitada. Entretanto, temos o fim de semana lixado, está visto.

publicado às 11:17

14
Abr16

Hoje foi assim

bibliomovel.JPGPés para dentro, a conversar e a sorrir, não há dúvida, sou eu. Está aqui a reportagem de uma reportagem molhada, para ler na próxima semana.

publicado às 22:40

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor