Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



No próximo domingo, duas das minhas grandes amigas vão fazer o triatlo.

Eu acho que elas são malucas, obviamente. Só mesmo uma grande dose de loucura faz com que uma pessoa se ponha a treinar durante quatro ou cinco meses para uma prova duríssima como é esta em que se tem de nadar 1,5Km e depois pedalar 45km de bicicleta e depois ainda correr mais 10,5km.

Mas, enfim, são as minhas malucas e eu tenho um orgulho imenso nelas. Porque são ambiciosas e determinadas. Elas impuseram-se um objectivo difícil e têm se esforçado imenso para o alcançar. O treino é intenso e doloroso e obrigou-as a deixar de lado muitas coisas boas e importantes para se dedicarem a isto. Não é um sacrifício, porque elas fazem-no por gosto, mas é um esforço enorme. 

Sobre isto eu tenho uma opinião nem sempre bem entendida: acho que as pessoas que correm maratonas ou que fazem triatlos não são necessariamente melhores do que as outras, o esforço delas é tão valioso quanto o esforço de outras pessoas para fazerem outras coisas que são mais importantes para si. Costumo dizer que cada pessoa corre a sua própria maratona. Cada um tem os seus desafios. Eu, por exemplo, tenho dias em que só de conseguir cumprir todas as minhas tarefas como trabalhadora e mãe e dona de casa acho que merecia uma medalha. Haverá outras pessoas que têm outros objectivos, tão ou mais difíceis do que correr maratonas, noutras áreas bem diferentes. Na verdade, não se trata de uma competição para ver quem é que é melhor. A competição que é verdadeiramente importante é connosco próprios: será que eu consigo superar-me? Será que eu consigo ir mais além? Seja no que for. 

A Sónia e a Lina, as minhas amigas malucas, decidiram fazer este triatlo e eu tenho um orgulho imenso nelas porque sei que estão a dar o seu máximo e estão a superar-se todos os dias. E sei que vão conseguir terminar a prova. Só espero conseguir lá estar, na meta, para ver o vosso sorriso.

publicado às 17:16


Mais sobre mim

foto do autor