Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Lembram-se de quando, nas aulas de ginástica, os rapazes iam jogar à bola enquanto as raparigas iam jogar ao mata? Há 40 anos isto acontecia e ninguém estranhava; hoje, nas aulas de ginástica, rapazes e raparigas praticam os mesmos desportos e ninguém admite discriminações.

Até parece que estou ouvir as vozes do costume a dizer que isto é um extremismo, que mal é que tinha, que já não se pode com o politicamente correcto e que passamos a vida a preocupar-nos com coisas de nada quando devíamos estar mas é preocupados com a falta de professores. Mas, olhem, eu acredito que temos espaço nas nossas vidas para nos preocuparmos com muitas coisas diferentes e também acredito que estas mudanças aparentemente pequenas são, na verdade, muito importantes e são ao mesmo tempo motor e consequência das grandes mudanças que queremos ver na nossa sociedade.

Em dezembro de 2016, ou seja, há quase três anos, andei a fazer uma reportagem sobre o futebol feminino em Portugal. Foi uma das reportagens que mais gostei de fazer - porque partiu de um interesse genuíno meu e porque me permitiu conhecer uma realidade que eu até aí desconhecia. Quase todas as raparigas com quem falei foram gozadas em campo, em algum momento, e ouviram muitos piropos e, apesar disso, não desistiram da sua paixão. Já crescidas, treinavam, à noite, depois de cansativas jornadas de trabalho, e sem ganhar qualquer recompensa para além do gozo que aquilo lhes dava. Os jogos das mulheres atraíam pouco público e quase nenhum interesse por parte dos media. Mas as coisas já estavam a mudar. Depois do Braga, aquela foi a primeira época para a equipa do Sporting. Pouco depois, foi a vez do Benfica anunciar que ia criar uma equipa feminina. É bom ver o quanto evoluímos desde então. Sobretudo na formação das jogadoras mais novas e na aceitação da modalidade, que já não é (ou está a deixar de ser) vista como uma extravagância de um grupo de maria-rapazes.

Ontem, jogou-se o primeiro derby oficial, Benfica-Sporting, em futebol feminino. No estádio da Luz, a assistir ao jogo, estiveram 12 812 espectadores.

Porque as coisas não têm que ser como sempre foram.

Ainda há muito por fazer, claro. Mas a igualdade também passa por aqui. 

image.jpg

Foto de Filipe Amorim/ Global Imagens

publicado às 14:32


Mais sobre mim

foto do autor