Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dia 50, sexta-feira, 1 de maio
Foi um dia bom.
Graças à minha vizinha Susana almocei cachupa deliciosa.
Fiz um bolo de iogurte para o Pedro e para os amigos do terraço. E eles brincaram até às nove da noite.
Consegui ficar duas horas com uma máscara na cara, conversar, rir e até cantar os parabéns a uma amiga. Mais difícil é não poder abraçar, beijar e tocar as pessoas de que gostamos. Ainda assim, é bem capaz de ter sido o melhor momento destes últimos dias.
E, para terminar, vimos O Império do Sol. Há que tempos que queria mostrar este filme aos miúdos. Quase três horas de Spielberg old school, mas resistimos os três, até o adolescente rezingão.
Foi um dia bom.
Um dia para ganhar fôlego.

Dia 51, sábado, 2 de maio
Pronto, fiquem descansados, já comprei meia dúzia de máscaras e uma pequena embalagem de gel desinfectante. Mais vale tarde do que nunca. Mas fiquem a saber que só usarei estas máscaras em último caso. Uma pessoa não deixou de usar palhinhas e sacos de plástico para agora desatar a usar máscaras descartáveis a torto e a direito. E também vos digo: se já se pode ir à manicure se calhar já era tempo de a câmara de Lisboa voltar a recolher os reciclados como deve ser, não?

Dia 52, domingo, 3 de maio
Domingo. O Pedro lá conseguiu terminar os trabalhos da semana. E já começou a receber novos trabalhos dos professores...
Limpámos a casa toda. Aproveitei o calor e lavei os cortinados da sala. O mais chato foi pôr as argolinhas todas no lugar outra vez.
Os rapazes estiveram umas quatro horas no terraço a brincar com os amigos. Hoje havia imensa gente nos terraços, miúdos e graúdos. Parecia mesmo uma daquelas tardes de verão.
Este fim de semana, o Fox Movies está a dar os vários Indiana Jones. Claro que já os vimos todos várias vezes mas não conseguimos resistir. (E num dos intervalos vi, finalmente, a Mariza a cantar. God. Tudo mau. Aliás, a publicidade da quarentena é toda supostamente muito inspiradora e a puxar à lágrima, ou seja, bastante irritante.)
A propósito: não tenho grande paciência para os dias disto e daquilo e muito menos para o dia da mãe. Cada um tem as suas telhas e a minha é esta.

Os dias seguintes
Entretanto, começou o desconfinamento.
Esta semana, eu já saí de casa para trabalhar, uma vez. E o António também já saiu de casa para ir ter com os amigos, uma vez. Munidos de máscaras e com gel para desinfectar as mãos, mas estamos a tentar recuperar alguma normalidade, ainda pouco normal.
A ver vamos.

publicado às 12:31


Mais sobre mim

foto do autor