Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ci·da·da·ni·a
Qualidade de cidadão.
 
ci·da·dão
1. Indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um estado livre.
2. Habitante de cidade. = CITADINO
3. Que é relativo aos indivíduos de um estado livre no gozo de direitos civis e políticos = CÍVICO
 
i·de·o·lo·gi·a
1. Ciência da formação das ideias.
2. Tratado sobre as faculdades intelectuais.
3. Conjunto de ideias, convicções e princípios filosóficos, sociais, políticos que caracterizam  o pensamento de um indivíduo, grupo, movimento, época, sociedade (ex.: ideologia política).

(do Dicionário Priberam)

Diz a famosa petição que "a disciplina de cidadania e desenvolvimento aborda assuntos que abusivamente se podem substituir aos pais na educação dos filhos, o que é inconstitucional". De acordo com as explicações que li por aí, a escola deve limitar-se a ensinar os factos, a ciência, sem transmitir qualquer ideologia.

Sobre isto tenho três coisas a dizer:

1. Eu gostava que me explicassem como é possível educar (ou sequer viver) sem ideologia.

A escola pública, como todas as escolas, está impregnada de ideologia. E ainda bem. Ensina-se ali a ideologia que está explícita na nossa Constituição e em toda a legislação (nada do que é ensinado na escola, seja sobre ecologia, regras de trânsito, igualdade ou casamento contraria as leis em vigor). Assim como a ideologia que está expressa na Declaração dos Direitos Humanos. Ensina-se a ideologia que é dominante ou aceite no momento. E que vai mudando, com o tempo. Porque as sociedades e os pensamentos vão evoluindo (nem sempre para melhor, mas pronto, isso já é outra conversa). A ideologia está presente nas aulas de História, de Ciências, de Português, de Cidadania e provavelmente até nas aulas de Educação Física e de Educação Visual. 

2. Não sei se já viram o programa de cidadania - deviam ir ver antes de falar. Eu, que acompanho de perto as aulas dos meus filhos, posso garantir-vos que a disciplina tem servido para eles tomarem contacto com ideias radicais e subversivas, como por exemplo perceber porque é que não se deve fazer bullying, como usar a internet em segurança, porque é que temos de lavar bem as mãos para nos protegermos do coronavírus, e outras coisas assim altamente controversas. 

3. Embora não o digam explicitamente, o problema dos senhores da petição não é com a cidadania nem sequer com a ideologia. O problema é com o sexo. É sempre. O sexo, esse grande papão.Tenho uma certa pena destas pessoas. Coitadas. São pessoas que acham que vestir um bebé de cor-de-rosa pode influenciar a sua orientação sexual. Ou que explicar aos adolescentes como se usa um preservativo pode fazer deles uns prevertidos. Deve ser muito triste viver assim, no pânico de ser contagiado por uma ideia mais arejada apenas com uma aula de 45 minutos por semana que lhes vá estragar todo o investimento no bolor com que estão a encafuar a cabeça dos filhos.

Tags:

publicado às 13:55


Mais sobre mim

foto do autor