Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Não sou baptizada. Não sou católica. Não gosto de quase nada do que se passa e diz na igreja. Tenho grandes dúvidas sobre a existência de deus. E, no entanto, aqui estamos. Após dois anos de catequese e missa, o António vai receber os seus sacramentos, três de uma vez. Perante a incompreensão de parte da família e amigos que meia voltam me perguntam: porquê?

A verdade é que passamos a vida a tentar fazer o melhor pelos nossos filhos e, do meu ponto de vista, isso passa por dar-lhes ferramentas para o futuro. Abrir-lhes portas, como tantas vezes digo. Preocupo-me, sobretudo, por abrir-lhes aquelas portas que eu sei que eles terão mais dificuldade em abrir sozinhos. Por isso é que digo tantas vezes que não me esforço minimamente para lhes ensinar coisas sobre informática ou tecnologia, não lhes ofereço consolas nem ligo a televisão - para isso eles não precisam de mim. Mas precisam de mim para os levar em viagens. Ou para os ajudar a ler um livro. Ou para lhes mostrar a beleza de uma obra de arte. Ou para os ensinar a ficar quietos e atentos durante um espectáculo. Tento que a sua educação seja diversificada, que tenham experiências e sensações diferentes para que possam ir descobrindo aquilo que lhes dá mais prazer, aquilo que mais os interessa, seja a matemática ou o futebol, uma tarde de brincadeira com os amigos, um passeio no campo, estudar geografia ou fazer um bolo, visitar os tios ou ficar no sofá.

Abrir-lhes portas. E deixá-los fazer as suas escolhas.

E foi neste caminhada que me apercebi que, ao afastá-los da religião, não estava a dar-lhes opção. Muitas pessoas dizem: não lhes vou impor religião, eles hão de escolher. Concordo. Foi o que fizeram comigo e eu acho que isso é o correcto. Mas os tempos de hoje não são iguais aos meus tempos. E eu senti não estava sequer a dar-lhes oportunidade para que fizessem essa escolha. Pelo contrário. Estava a fechar esta porta. Os meus filhos nunca tinham assistido a uma missa, não faziam ideia para que servia uma igreja, ninguém lhes falava de deus ou da fé. Achei que estava a falhar aqui. E como não me senti preparada para ser eu a fazê-lo, fiz como faço com a música ou a natação, arranjei alguém que o fizesse por mim. O António teve aulas de religião e moral na escola, durante dois anos, mas percebi que aquilo não estava a adiantar nada e decidi então pô-lo na catequese e passámos a ir todos à missa ao sábado.

Para já, trata-se de uma questão de formação. Aprender o que é a Bíblia, quem foi Jesus, o que é a Páscoa, que o Natal não são só presentes. Aprender as orações, os rituais, o que significa a comunhão, o que fazem aquelas pessoas ali juntas todas as semanas. Saber rezar o pai nosso não faz mal a ninguém. Assim como ser baptizado também não o prejudica nem o impede de tomar opções diferentes no futuro. Pela minha parte, concentro-me nas lições de humanismo que são o que mais me cativa na religião - perceber qual a melhor maneira de vivermos uns com os outros, não fazer aos outros o que não queremos para nós, ajudar quem precisa, distinguir o bem do mal. No fundo, aquilo que já lhes ensinava mas agora com outro enquadramento. E procuro também ensinar-lhes a tolerância. Falo-lhes das outras religiões, explico-lhes que há pessoas que acreditam em coisas diferentes ou que não acreditam. Às vezes o António faz umas perguntas difíceis para quem, como eu, não acredita. Tento sempre não impor-lhe a minha visão. É um desafio enorme, este. Tenho vontade de dizer, claro que Jesus não ressuscitou, que parvoíce tão grande. Em vez disso, faço um desvio na conversa e falo-lhe dos romanos e dos cristãos e de como não devemos criticar quem pensa de maneira diferente.

Daqui para a frente se verá. À medida que o António crescer fará o seu caminho, como quiser. Irá ou não irá à igreja. Fará a sua escolha. Tal como combinámos, a obrigação de ir à catequese termina no final deste ano lectivo. Em relação à missa, como a seguir temos a caminhada do Pedro, acho que ainda vai ter que ir por mais uns tempos.

O mais importante, para mim, é que eles saibam que isto existe. Que percebam que a religião (esta ou outra) é algo muito importante para muitas pessoas. Que as une. Que as motiva a fazer melhor. E a ser melhores. É algo que influencia aquilo que somos, até mesmo quando não acreditamos. Que vão percebendo que existem coisas no mundo que estão para além do nosso entendimento e que, entre as muitas formas que existem para encontrar um sentido nisto tudo, também há esta. E que tenham as ferramentas para um dia explorar o seu lado espiritual. Caso queiram. Caso precisem. Sem preconceitos. Com naturalidade. Duvidando, criticando e pensando pela sua cabeça. Sempre. Ou que, se assim o entenderem, rejeitem a religião e digam que não lhes interessa. Mas sabendo o que estão a recusar, e não apenas porque alguém lhes disse, quando eram pequenos, que isto era uma treta.

publicado às 18:51

12
Mar14

Abstinências

O António está a levar muito a sério a sua primeira quaresma e decidiu que, até à Páscoa, não iria comer queijo Philadelphia. Vocês não o conhecem, mas o António é maluco por queijo Philadelphia, do normal ou com ervas aromáticas. Não comer o seu queijo é mesmo um sacrifício. Não sei se ele vai aguentar até ao fim mas mesmo que isto dure só uma semana já acho uma prova de fogo.

E tu, mãe, do que vais abdicar na quaresma?

Como eu tardava em decidir, e os dias iam passando, o António pensou um pouco e anunciou: Já sei, não podes ir para o computador à noite. Ainda tentei argumentar mas a verdade é que se é para abdicar de algo que nos parece mesmo importante (ainda que, de facto, seja algo desnecessário) o puto acertou em cheio. E como nisto da educação não adiantam muitas palavras se não se der o exemplo, basicamente, estou lixada. Ontem à noite, com os miúdos já a dormir, liguei o computador por uns minutos, comecei a ter problemas de consciência e pus-me, antes, a ver televisão.

Está visto que este mês de março vai ser muuuuuuuuito comprido.

publicado às 11:04

Para uma descrente, como eu, ir à missa é sempre uma incógnita. Há dias em que tudo aquilo me parece absurdo e sem sentido e pergunto-me mil vezes o que faço ali todas as semanas. Há dias em que me emociono com uma palavra ou com algum cântigo ou apenas com as vozes em uníssono e com aquela sensação de que se estivermos juntos isto (isto, quero eu dizer, o mundo) há de fazer algum sentido. Há dias em que trago coisas para pensar. Outros não.

Hoje falou-se do perdão. Da importância de amar aqueles que nos fizeram mal. De termos paciência com os que nos importunam.

Eu achava-me uma pessoa capaz de perdoar. Eu era mesmo capaz de perdoar. Não tenho paciência para ficar chateada com quem me fez mal. Não tenho feitio para guardar rancores. Sinceramente. Prefiro mil vezes esquecer. E consigo fazê-lo sem esforço. Sejam coisas de nada ou ofensas graves. Não quero saber. Sou da turma dos abraços, como dizia o Cazuza. E dos sorrisos. Mas, percebi recentemente, se é fácil perdoar os que me magoam é muito mais difícil perdoar aqueles que fazem mal aos meus filhos. É difícil, tão difícil, muito difícil, quase impossível. Descobri-me mãe leoa. Fera que defende as crias até ao limite das suas forças. De forma algo irracional até. E em vez de perdoar sinto um ódio enorme. Isso não faz de mim lá muito boa pessoa.

E, daí, se pensarmos bem, se calhar nem todos merecem o nosso perdão.

publicado às 18:41

Acordar às 9 horas. Beber café sem pressas. Um sol de inverno que afasta todas as sombras. Os rapazes a correrem no largo de são carlos. Almoço com amigos dos bons e comer uns belos hamburgueres. A missa onde confirmamos a caminhada do miúdo. Acender o aquecedor. Montar a árvore de natal e o presépio. Fazer o jantar a ouvir Eminem, só porque sim. Pensar que o que calhava aqui bem era um copo de vinho. Seguir em frente.

publicado às 19:59

10
Nov13

A nossa missa

"Os meninos sabem de ondem vêm os bebés?", pergunta o padre que, como de costume, na homilia, sai do altar e se aproxima das crianças que enchem a missa de sábado à tarde. E a miudagem, sempre aflita para explicar as leituras, desta vez responde em coro algo sobre as barrigas das mães.

Gosto disto.

publicado às 15:44

08
Abr12

Aleluia

Sou uma pessoa do natal. De celebrar os nascimentos. De dar prendas. De gostar de luzinhas e enfeites, do pinheiro e até do presépio. Não tenho qualquer problema em explicar o natal aos meus filhos e em acreditar que de facto jesus nasceu e cresceu para se transformar num homem especial, com uma mensagem bonita, uma palavra que vale a pena espalhar. Amar o próximo. Fazer o bem. Viver em paz. Procurar a nossa paz interior. Já a páscoa... A páscoa é a época das ervilhas e das favas, é comer borrego e aproveitar os dias bons no campo. Gosto de folar e de amêndoas de chocolate mas a cena da ressurreição sempre me causou grandes dúvidas e nunca houve nenhuma explicação que me convencesse da coisa. O meu filho quer saber o que é a páscoa e eu apenas lhe consigo contar a crucificação e a morte de jesus (não é lá grande motivo para celebrações, convenhamos) e deixo a subida aos céus para uma outra oportunidade. Tenho esta estranha mania de não conseguir mentir, sobretudo às minhas crianças.

publicado às 22:08

14
Out10

Espírito santo

Aprendeu com a avó uma pequena oração meu menino jesus guardai a nossa família etc. e tal. Todas as noites se lembra que temos que rezar e lá se põe de mãos postas em nome do pai e do filho e do espírito santo. Ontem, uma pergunta surgiu já no escuro:
- mãe, o que é o espírito?
Sem saber o que dizer, argumentei com o adiantado da hora e prometi explicações para hoje. Estou metida num belo embrulho, é o que é.

publicado às 11:32

23
Abr09

Beato

Eu prefiro não acreditar a acreditar que há um deus, uma senhora, uns santos ou outra entidade qualquer que se marimba nas desgraças do mundo, que se está nas tintas para as guerras, para os tsunamis, para as crianças com fome, para os refugiados e para a faixa de gaza, que não mexe um dedo para tratar destes flagelos mas que, em troca de umas orações, de umas promessas, de umas velas acesas, de umas caminhadas ou de uns joelhos esfolados no chão de fátima, não se importa de perder o seu tempo a curar dores nas costas e a arranjar empregos para as pessoas deste país triste. É que não consigo sequer perceber como é que alguém há de querer acreditar num deus assim. Um deus, uma senhora, uns santos ou outra entidade qualquer que faz com que corra tudo bem na nossa vidinha, que cuida para que um neto nasça perfeitinho, para que se resolva aquela dívida, para que o negócio avance, para que a doença tenha uma cura, para que o casamento não acabe. Que gasta os seus milagres com as nossas desgraçazinhas apenas porque rezamos o terço e vamos uns quilómetros a pé. Não tem mais nada que fazer este santo? Eu cá prefiro acreditar que se existe um deus ele há de ser melhor do que isso. O meu deus não faz milagres, e ainda bem.

publicado às 10:04

08
Dez08

Natal

Lá em casa nunca fomos religiosos. Os meus pais não casaram na igreja e não baptizaram as filhas. Que devíamos ser nós a escolher. Ninguém nos evangelizou. Ainda assim, porque eram outros os tempos, a religião estava presente na nossa vida de uma maneira ou de outra.
Havia a irmã Maria dos Anjos que aparecia de vez em quando na escola primária para dar a aula de religião e moral - não era obrigatório mas só havia uma menina, de uma família jeová, que ia com o professor fazer desenhos para outra sala. E vai-se a ver não me fez mal nenhum ouvir as histórias da Maria e do José e pintar os desenhos e aprender a cantar amar como Jesus amou. Ainda fui umas duas ou três vezes à catequese, porque todas as minhas amigas iam e eu queria ver como era, e no ciclo, apesar não estar inscrita nas aulas de religião, calha não calha no inverno pedia para assistir em vez de ficar uma hora à chuva.
Depois havia a vovó Ana que se emperiquitava todos os domingos para ir à missa. De vez em quando iamos com ela. Como um passeio. Eu adorava aquela coisa de estarmos sempre a sentar e a levantar. E as músicas, sempre gostei das músicas. A vovó Ana dava-nos moedas para pormos no cestinho que passava de mãos em mãos. E também nos ensinou a rezar o pai nosso e a avé maria. A certa altura, começámos a ter aulas de música e a aprender a tocar flauta com o doutor Gomes, que era, também, o responsável pelo coro e pelo órgão da igreja. À falta de outros palcos, o doutor Gomes pôs-nos a tocar na missa o santo, santo é o senhor e o aleluia e outras coisas do género. Domingo após domingo aprendi as lenga-lengas todas e a dar as respostas certas, palavra do senhor, graças a deus, glória a vós, senhor, ámen.
E havia ainda o padre Manuel António que com a sua serenidade e disponibilidade nos conquistou a todos no liceu, mesmo os que não tínhamos aula de religião e ele só nos conhecia dos corredores e das conversas. Também fomos, eu e a minha irmã, fazer o convívio fraterno, três dias no seminário a acordar ao som das violas, e as músicas, outra vez as músicas, mesmo sem acreditar emociono-me só de ouvir o pai nosso em ti cremos e canto com alegria levado pela mão com jesus eu vou. Três dias a falar das nossas dúvidas existenciais, que sempre as há na juventude, de onde viemos, para onde vamos, o que fazemos nós aqui. Três dias e no fim toda a gente rendida menos eu. Juro que me esforcei. Naquela altura já não era uma questão de querer ser igual aos outros, era mesmo uma necessidade. Eu tinha pena de não acreditar. Como isso me resolveria tanta angústia. Depois disso, persistente, ainda fui umas vezes ao grupo de jovens mas rapidamente percebi que estava toda a gente ali para falar de (e para tentar fazer algum) sexo. Obrigadinha mas para isso não preciso perder as tardes de sábado no gélido salão da paróquia.
De maneiras que lá em casa nunca fomos religiosos, que devíamos ser nós a escolher, diziam os meus pais, e deram-nos todas as oportunidades para isso e a minha irmã até andou ali quase para se baptizar e tudo mas eu, eu que queria mesmo era ficar descansadinha a achar que vamos todos para o céu e que os bons serão recompensados e que os maus se não os castigam os homens há de castigá-los deus, eu que acredito no amor acima de tudo, eu que, tirando a gula, até nem sou de grandes pecados, eu que não mato, não bato, não minto e não engano ninguém, eu que, vistas bem coisas, até sou uma boa cristã, esforcei-me e nada. Não sou capaz. Aqui estou acomodada à minha condição de agnóstica (ateia não, mesmo sem fé ainda não perdi a esperança de um dia, quem sabe).
E foi nesta condição de mãe-agnóstica que comprei um presépio para montar com o meu filho-não-baptizado e lhe explicar que há muito, muito tempo nasceu um menino chamado Jesus e que esse menino cresceu e foi tão bom e ensinou-nos tantas coisas que ainda hoje, todos os anos, festejamos o seu aniversário. O miúdo percebeu a parte do nascimento e dos reis a trazerem os presentes e que é por isso que também nós damos presentes e que dar é bom e tal mas o que ele gosta mesmo é de brincar às lutas com os bonecos. Bom, é um princípio. Para o ano será melhor. O mais importante é que ele não pense que o Natal é só prendas e renas e luzes e sapatinhos na chaminé. Isso não. Que acredite antes em Jesus que o pai natal não me interessa mesmo nada. Ainda estou para ver como é que farei para lhe falar de Deus. As coisas que uma pessoa faz pelos filhos.

publicado às 21:22


Mais sobre mim

foto do autor