Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



01
Mar15

De cor

"Quando em meu mudo e doce pensamento

chamo à lembrança as coisas que passaram

choro o que em vão busquei e me sustento

gastando o tempo em penas que ficaram.

E afogo os olhos (pouco afins ao pranto)

por amigos que a morte em treva esconde

e choro a dor de amar cerrada há tanto

e a visão que se foi e não responde.

E então me enlutam lutos já passados,

me falam desventura e desventura,

lamentos tristemente lamentados.

Pago o que já paguei e com usura.

Mas basta em ti pensar, amigo, e assim

têm cura as perdas e as tristezas fim."

 

William Shakespeare, tradução de Vasco Graça Moura. 

"Assim que dez pessoas sabem um poema de cor, não há nada que a CIA ou o KGB ou a Gestapo possam fazer. Esse poema vai sobreviver", terá dito George Steiner. Este é o soneto "30", citado por Boris Pasternak, decorado pela avó Cândida, aprendido ontem à noite por dez pessoas em By Heart, de Tiago Rodrigues, no Teatro Maria Matos. Trouxe o poema na cabeça e num papelinho cor-de-rosa metido na mala. O espetáculo é uma pequena maravilha. by heart.jpg

publicado às 13:14


Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor