Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



17
Out15

Luaty

Há dias em que o mundo parece um lugar demasiado estranho. São os refugiados que atravessam muros de arame farpado com uma mochila às costas e os filhos pela mão à procura de um país onde possam viver e sonhar. São os vídeos que me caem no facebook - ando sempre a evitá-los mas, de vez em quando, cedo à tentação e depois nunca consigo chegar ao fim de tão agoniada que fico - vindos de algum lugar entre a áfrica e o médio oriente onde há pessoas a morrerem queimadas por outras pessoas, apedrejadas, esfaqueadas, no meio da rua, rodeadas por pessoas (podíamos ser nós) que olham e não fazem nada. É Israel e a Palestina numa guerra onde é impossível dizer quem tem razão. São as atrocidades do Estado Islâmico. É um puto americano ou de outro país qualquer (outro país como o nosso ia eu a dizer) que pega numa arma e desata a dar tiros na sua escola. E ainda nem falei dos muitos sem-abrigo que vivem nas ruas de Lisboa, com as camas feitas por baixo de arcadas, em recantos de lojas, enrolados em cobertores um dia inteiro. A sério. Há dias em que me pergunto o que é que andamos aqui todos a fazer. O que é que eu ando aqui a fazer, entretida com a minha vidinha. Eu a ignorar os vídeos no facebook. A virar a cara para o outro lado na rua. A fingir que não sei. Ou a fazer uns likes num manifestos. A assinar umas petições virtuais para apaziguar a consciência.

E depois há Luaty Beirão. Tem 33 anos e está em greve de fome que é a única forma que, neste momento, tem de lutar contra a ditadura do regime angolano e contra as prisões injustas de um grupo de jovens que sonha com a democracia.

Vejam-no e ouçam-no na entrevista que deu ao Público.

A história está contada magnificamente por José Eduardo Agualusa na edição de hoje do Expresso (quem não comprou o jornal pode ler o texto aqui).

luaty.jpg

O que é que nós podemos fazer por ele? Falar. A minha voz não interessa para nada, é verdade. Mas uma voz é como um voto. Sozinho é inútil. Mas todos juntos somos mais fortes.

Eu não conheço o Luaty mas ele faz-me acreditar. Enquanto houver luatys por aí ainda há esperança de que este mundo ainda possa vir a ser um sitío melhor. 

publicado às 20:50


6 comentários

Imagem de perfil

FS 21.10.2015

É bem verdade o que diz... Revejo-me nas suas palavras, inclusivamente nesse "evitamento" de ver as imagens de um mundo real.
Mas há uns anos houve um país que se mobilizou por um povo do outro lado do mundo, numa ilha a norte da Austrália. Identificou-se com eles, provavelmente por partilharem a mesma língua portuguesa e séculos de convivência, e por algum peso na consciência por trinta anos antes terem fechado os olhos e os terem deixado à mercê do seu destino.
Será que não valeria a pena esse povo de brandos costumes se manifestar por este rapaz cheio de ideais, luso-angolano e representante do desejo de muitos dos seus compatriotas? Será que não nos deveríamos manifestar, fazer vigílias, como fizemos por Timor, junto das sedes de poder político e económico angolano? Será que neste caso não podemos fazer algo mais do que falar e lamentar?

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor