Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



image.jpg

Esta ilustração linda é do André Carrilho e foi publicada no DN do sábado passado (espero que ele não se importe que eu a publique aqui).

Eu sei que não sou velhinha de bengala mas já tantas vezes, ao passear pela rua, olhei para os pares de namorados aos beijos nos bancos de jardim, aquela urgência que só tem quem está perdidamente apaixonado, como se os beijos não pudessem esperar, como se tivéssemos que estar juntos, juntos, pele com pele, o máximo possível, como se nada mais à volta importasse, como se nada mais existisse, e eu, passando, olhando para eles e a pensar para mim: lembras-te como era?

Lembro-me bem.

E agora? Irá acontecer-me outra vez?

A acompanhar aquela ilustração, a Fernanda Câncio escreveu um texto muito bonito sobre isto do amor depois de uma certa idade. Ela escolheu os 60 anos. Ainda me falta um bocadinho, é verdade. Mas não consigo evitar sentir-me um pouco retratada. Um dos seus entrevistados diz, a certa altura: "Para mim o desejo está na paixão, e o amor tem sempre de resultar da paixão. Levei a vida a perceber essa coisa que vinha já de Platão e que só a partir do século XX desaparece - que não há um lado animal e racional, e que as coisas estão misturadas em nós. Que a pessoa amada é real, a pessoa que amamos por coisas tão pequeninas como um cheiro ou uma forma de andar. O que é sentir esse amor - não sei responder muito bem, não. É como se os corpos se equivalessem. É um amor de pequeninas coisas quotidianas, de vontade de anichar, de andar de mão dada, de dormir abraçada". 

Outro diz: "Nos últimos dez anos não tive nenhuma paixão. Tive sexo ocasional, tive enfatuações - que é uma palavra que vem do inglês infatuation [neste caso podendo traduzir-se por arroubo, encantamento], que não existe em português mas faz falta, porque não foram paixões." E acrescenta: "A paixão é uma coisa que ocupa muito espaço e tem um potencial de sofrimento imenso. Não sei se quero passar por isso outra vez."

Mas eu ainda acho que quero passar por isso outra vez.

Gostava muito, confesso, gostava muito de encontrar alguém com quem envelhecer. Tranquilamente. Mas feliz e acompanhada.

Quando José Saramago conheceu Pilar, ela tinha 36 anos, ele 64. Ao ver o filme José e Pilar, de Miguel Gonçalves Mendes, e vendo-os tão apaixonados, fiquei animada: é possível, ainda há esperança. 

Admito que à medida que o tempo passa essa esperança vai perdendo fôlego. Parece cada vez mais difícil voltar a apaixonar-me e ainda mais difícil que, apaixonando-me, consiga ter uma relação feliz com alguém (porque uma coisa não leva necessariamente à outra, infelizmente). 

Ainda não desisti. Não é que ande por aí à procura, não é isso que me move, mas não desisti. E sempre que vejo uma hipótese - por muito vaga que seja - não consigo virar-lhe as costas. É assim que sou. Hei de acreditar e tentar e entregar-me e aproveitar todos os momentos bons que houver para aproveitar e depois desiludir-me, espalhar-me ao comprido e sofrer. E hei de repetir tudo de novo se acreditar que vale a pena. E acredito algumas vezes. Sim, o potencial de sofrimento é enorme. Mas...e se? 

Em Call Me By Your Name, de Luca Guadagnino, o pai diz a Elio que a vida é para ser sentida, que de outra maneira não faz sentido: "Os nossos corações e os nossos corpos são-nos dados só uma vez. E antes que dês conta disso, o teu coração está gasto. Quanto ao teu corpo, chega um dia em que ninguém olha para ele, quanto mais chegar-lhe perto".

Quanto ao corpo, é o que é. Mas haverá alguma maneira de evitar que o nosso coração fique gasto?

Mistery of Love, de Sufjan Stevens

 

(uma coincidência de que só me apercebi agora: hoje é 6 de outubro.)

publicado às 11:05


10 comentários

Imagem de perfil

Maria Blanco 06.10.2020

entendo e passo pelo mesmo (e eu já vou nos 58 ) mas acredito e tento viver na convição de que há que embarcar no que a vida nos apresentar e, se nos apixonarmos, não há como não viver a fundo esse sentimento, como somos (receios temos sempre). Se terminar, sofre-se, mas se não, quem quer uma vida morna?! (muita gente eu sei)
vivamos o dia- a-dia o mais plenamente possível e o que tiver que acontecer será - é o que me digo
hang in there Gata
Imagem de perfil

Maria Araújo 21.10.2020

Sempre tive interesse m lema:. O que tiver de acontecer, acontece... mas por vezes, temos de fazer um forcinha.
Imagem de perfil

Calimero 06.10.2020

Gostei muito desta abordagem a paixao/amor/ ou seja la isso o que for!

A fase mais bonita e a do encantamento. da descoberta, a magia do outro..do mistério até..


Depois resta a complicada e árdua sapiência de manteres as relações quando essa fase já foi extinta..

Apesar de que eu lírica me confesso, que acredito que haja quem viva enamorado toda uma vida!


Um beijinho e dia feliz pra ti
Imagem de perfil
Eu encontrei o Pedro quando tinha 32 anos. Estava há 10 anos na condição de solteira-mais-solteira-não há. Nunca andei por aí à procura. A vida mostrou-me o Pedro quando eu estava preparada para o receber. Estive doente (uma doença rara) e depois de uma grande tempestade na minha vida, veio então aquele amor sereno. Estamos juntos há quase 18 meses. Sou enamorada por ele desde o dia que lhe disse sim. Uma relação exige muito trabalho e, logo nós, que somos extremamente diferentes um do outro. Conversámos muito. Dizemos aquilo que nos incomoda um no outro para não ficar a moer nada dentro de nós.
Nunca é tarde para nada na nossa vida. Sempre achei isso. Nós estamos sempre no tempo certo. Nós estamos sempre onde a vida quer que estejamos. Seja feliz no "entretanto". Tudo acontece no tempo certo.
Parabéns pelo texto.
Imagem de perfil

Maria Araújo 21.10.2020

Tinha lido essa reportagem , adorei o que li até porque já estou nos 60tas e não estando apaixonada por ninguém, vivo a vida com serenidade, não estando à espera que apareça um amor.
Já os tive e loucos, mas nesta fase da vida não é prioritário ter alguém.
Óbvio que um carinho, uns momentos de conversa, de todos, de histórias, fazem falta, por vezes.
A sexualidade não se esgota, ou talvez sim, quando já as forças ou o corpo está débil.
O meu pai estava prestes a completar 80 anos, quando faleceu, mas era um homem activo e se não fosse os problemas de saúde, acho que nessa idade teria outra mulher.
Acredito no amor, acredito na paixão, mas quando somos maduros queremos afectos.
E em qualquer idade se fazem loucuras quando se está apaixonado.
Obrigada por este seu post.
Imagem de perfil

Maria 21.10.2020

Concordo com a afirmação "paixão é uma coisa que ocupa muito espaço e tem um potencial de sofrimento imenso."
É doloroso qdo passa a ser unilateral.
Mas, por outro lado, Vinícius afirma "Quem nunca curtiu uma paixão. Nunca vai ter nada, não".
A paixão faz-nos tão bem, tão felizes que acho que compensa a dor .
Qdo menos esperar, Gata Christie, a tal paixão surgirá " curta-a" .
Beijinhos
Imagem de perfil

infp 21.10.2020

"A paixão é uma coisa que ocupa muito espaço e tem um potencial de sofrimento imenso. Não sei se quero passar por isso outra vez."

e há gente, como eu, que nunca sofreu por isso e gostaria de sofrer

Imagem de perfil

simplesmente... 24.10.2020

Gostei do seu texto.

Apreciei a sua honestidade.

Faço votos que encontre rapidamente quem, gostando de si, queira compartilhar consigo a vida.

Abraço.
Imagem de perfil

Etan Cohen 25.10.2020

Apenas um homem, tanto quanto vejo, se atreveu a comentar o seu texto, por isso aqui vai:
A "gata" que há em si, independente, exigente e felina, pelo menos na abordagem dos seus próprios sentimentos, resolve abordar um tema complexo que afeta muitas mulheres, mais que aos homens; e logo recebeu das mulheres um apoio incondicional e votos de que "vai conseguir", "vai arranjar" ou "quem espera sempre alcança", mas será que a descrição no seu texto é um apelo para si ou será e também e acima de tudo um texto destinado à reflexão às muitas mulheres que passam pelo mesmo problema e daí a empatia o apoio que recebeu delas ou então a opinião veiculada por algumas das mulheres derivado do nosso espírito judaico cristão da pena, da comiseração, de nós próprios e dos outros. Mas esteve na ideia inicial escrever este texto por si ou ele surgiu pelas outras mulheres, sobretudo por estas que passam por isto? Se a ideia era descrever a sua situação, penso que o seu apelo pode- se relacionar com uma certa incapacidade de encontrar o que quer quiçá pela grande pressão que é exercida por motivos da sua atividade profissional, social, económica ou outra que leva o "Gato", mesmo que seja um bonito siamês, Maltez ou que o for, a não corresponder aos anseios da "Gata", e já que estamos neste mundo de felinos desta natureza, quiçá a "Gata" tenha mais espírito de mulher do que de Felis silvestris catus!
Bom texto, boa reflexão, não lhe desejo nem sorte, nem cuidado, nem sequer lhe vou acenar com paciência que vai conseguir, sei lá se vai conseguir, não tenho tantas certezas. Escreva, escreva que encontrará sempre quem goste de a ler, mesmo que não o manifeste por se sentir algo condicionado ou achar que não está à altura dos seus textos, mas, sabe, escrever assim desta maneira como o faz é, como eu entendo e escrevo, catártico, isso eu tenho a certeza e manifesto-o a si pessoalmente e se você o desejar também publicamente.
Bom domingo.
Imagem de perfil

C. 25.10.2020

Muito interessante a reflexão que propõe, em tempos em que oiço cada vez mais esta necessidade, tanto de homens como de mulheres, como se se procurassem mutuamente mas caminhassem em linhas paralelas, impedidos de se encontrarem.
O sociólogo Zygmunt Bauman denomina de amor líquido a tendência atual para as relações do tipo fast love que hoje estão muito em voga no mundo igualmente fast. Tudo é rápido, tudo em excesso, para viver o maior número de experiências possíveis, sem aprofundar, porque isso dá trabalho e faz sofrer. Fast é sinónimo de pouco, quer-me parecer, na medida em que é superficial.
Paixão etimologicamente significa sofrer, e biologicamente é um cocktail hormonal que constitui um dos mistérios mais interessantes da nossa espécie. Já o amor parece um mistério ainda maior, pois não é consensual, desde que no berço da nossa civilização se cunharam os termos Eros, Filos e Ágape, e a filosofia tem sido abundante em definições e critérios, para todos os gostos e necessidades.
E para terminar, que isto já passou do simples comentário, parece-me que a necessidade é a variável que mais tende a obstruir a equação amorosa. Necessitar do outro é inevitavelmente um lugar de vazio que procura ser preenchido por alguém fora de nós mesmos, e talvez por isso não resulte, porque é ilusório e inevitavelmente acaba em cobrança.
Não tenho respostas, nem soluções, mas tenho uma avó que depois de viúva por muitos anos voltou a casar, simplesmente porque a companhia um do outro dava mais cor aos dias de ambos, porque já nada pediam nem necessitavam, apenas tinham já muito para partilhar.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor