Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



image.jpg

Esta ilustração linda é do André Carrilho e foi publicada no DN do sábado passado (espero que ele não se importe que eu a publique aqui).

Eu sei que não sou velhinha de bengala mas já tantas vezes, ao passear pela rua, olhei para os pares de namorados aos beijos nos bancos de jardim, aquela urgência que só tem quem está perdidamente apaixonado, como se os beijos não pudessem esperar, como se tivéssemos que estar juntos, juntos, pele com pele, o máximo possível, como se nada mais à volta importasse, como se nada mais existisse, e eu, passando, olhando para eles e a pensar para mim: lembras-te como era?

Lembro-me bem.

E agora? Irá acontecer-me outra vez?

A acompanhar aquela ilustração, a Fernanda Câncio escreveu um texto muito bonito sobre isto do amor depois de uma certa idade. Ela escolheu os 60 anos. Ainda me falta um bocadinho, é verdade. Mas não consigo evitar sentir-me um pouco retratada. Um dos seus entrevistados diz, a certa altura: "Para mim o desejo está na paixão, e o amor tem sempre de resultar da paixão. Levei a vida a perceber essa coisa que vinha já de Platão e que só a partir do século XX desaparece - que não há um lado animal e racional, e que as coisas estão misturadas em nós. Que a pessoa amada é real, a pessoa que amamos por coisas tão pequeninas como um cheiro ou uma forma de andar. O que é sentir esse amor - não sei responder muito bem, não. É como se os corpos se equivalessem. É um amor de pequeninas coisas quotidianas, de vontade de anichar, de andar de mão dada, de dormir abraçada". 

Outro diz: "Nos últimos dez anos não tive nenhuma paixão. Tive sexo ocasional, tive enfatuações - que é uma palavra que vem do inglês infatuation [neste caso podendo traduzir-se por arroubo, encantamento], que não existe em português mas faz falta, porque não foram paixões." E acrescenta: "A paixão é uma coisa que ocupa muito espaço e tem um potencial de sofrimento imenso. Não sei se quero passar por isso outra vez."

Mas eu ainda acho que quero passar por isso outra vez.

Gostava muito, confesso, gostava muito de encontrar alguém com quem envelhecer. Tranquilamente. Mas feliz e acompanhada.

Quando José Saramago conheceu Pilar, ela tinha 36 anos, ele 64. Ao ver o filme José e Pilar, de Miguel Gonçalves Mendes, e vendo-os tão apaixonados, fiquei animada: é possível, ainda há esperança. 

Admito que à medida que o tempo passa essa esperança vai perdendo fôlego. Parece cada vez mais difícil voltar a apaixonar-me e ainda mais difícil que, apaixonando-me, consiga ter uma relação feliz com alguém (porque uma coisa não leva necessariamente à outra, infelizmente). 

Ainda não desisti. Não é que ande por aí à procura, não é isso que me move, mas não desisti. E sempre que vejo uma hipótese - por muito vaga que seja - não consigo virar-lhe as costas. É assim que sou. Hei de acreditar e tentar e entregar-me e aproveitar todos os momentos bons que houver para aproveitar e depois desiludir-me, espalhar-me ao comprido e sofrer. E hei de repetir tudo de novo se acreditar que vale a pena. E acredito algumas vezes. Sim, o potencial de sofrimento é enorme. Mas...e se? 

Em Call Me By Your Name, de Luca Guadagnino, o pai diz a Elio que a vida é para ser sentida, que de outra maneira não faz sentido: "Os nossos corações e os nossos corpos são-nos dados só uma vez. E antes que dês conta disso, o teu coração está gasto. Quanto ao teu corpo, chega um dia em que ninguém olha para ele, quanto mais chegar-lhe perto".

Quanto ao corpo, é o que é. Mas haverá alguma maneira de evitar que o nosso coração fique gasto?

Mistery of Love, de Sufjan Stevens

 

(uma coincidência de que só me apercebi agora: hoje é 6 de outubro.)

publicado às 11:05


10 comentários

Imagem de perfil

C. 25.10.2020

Muito interessante a reflexão que propõe, em tempos em que oiço cada vez mais esta necessidade, tanto de homens como de mulheres, como se se procurassem mutuamente mas caminhassem em linhas paralelas, impedidos de se encontrarem.
O sociólogo Zygmunt Bauman denomina de amor líquido a tendência atual para as relações do tipo fast love que hoje estão muito em voga no mundo igualmente fast. Tudo é rápido, tudo em excesso, para viver o maior número de experiências possíveis, sem aprofundar, porque isso dá trabalho e faz sofrer. Fast é sinónimo de pouco, quer-me parecer, na medida em que é superficial.
Paixão etimologicamente significa sofrer, e biologicamente é um cocktail hormonal que constitui um dos mistérios mais interessantes da nossa espécie. Já o amor parece um mistério ainda maior, pois não é consensual, desde que no berço da nossa civilização se cunharam os termos Eros, Filos e Ágape, e a filosofia tem sido abundante em definições e critérios, para todos os gostos e necessidades.
E para terminar, que isto já passou do simples comentário, parece-me que a necessidade é a variável que mais tende a obstruir a equação amorosa. Necessitar do outro é inevitavelmente um lugar de vazio que procura ser preenchido por alguém fora de nós mesmos, e talvez por isso não resulte, porque é ilusório e inevitavelmente acaba em cobrança.
Não tenho respostas, nem soluções, mas tenho uma avó que depois de viúva por muitos anos voltou a casar, simplesmente porque a companhia um do outro dava mais cor aos dias de ambos, porque já nada pediam nem necessitavam, apenas tinham já muito para partilhar.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor