Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Tenho uma vaga ideia de ter aprendido a tricotar em miúda, com a vovó Ana ou com a avó Celeste ou com ambas. Depois disso, tirando uma tarde em frente à lareira, nunca mais peguei nas agulhas. Lembrava-me pouco mas acho que as minhas mãos lembravam-se mais. Assim que comecei, foi como se nunca tivesse parado. Desde as 21.30 de sábado que sou uma pessoa que tricota. Que leva o seu tricot na mala para se entreter enquanto o puto joga à bola. Que diz para si própria só mais uma volta e páro e depois não pára, é só mais uma e mais outra. Estou a fazer (estou quase a acabar) um cachecol para os miúdos, que é a coisa mais básica entre as básicas, e só sei fazer um ponto (que é liga), mas já tenho na cabeça a minha próxima obra, maior e já com ponto meia, não há de ser assim tão difícil, pois não?

E agora podia fazer aqui todo um discurso sobre objetivos a cumprir e o prazer da superação, mas na verdade isto é só tricot. E tenho-me divertido. Acho que é isso.

publicado às 23:35


Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor