Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O maior desafio da maternidade? Uma pessoa acha que nada pode ser pior do que aqueles primeiros dois meses depois do nascimento do primeiro filho em que a sua vida se virou de pantanas, em que está exausta e com as hormonas aos saltos e só quer dormir uma noite inteira sem ter que dar de mamar nem trocar fraldas. Depois uma pessoa acha que nada pode ser pior do que separar-se e ficar sozinha com dois filhos pequenos e de repente ter que ser mãe e pai e correr de um lado para o outro para apagar todos os fogos e nem sequer ter um colo aonde desabar ao final do dia. E depois chega a adolescência e, juro-vos, nada é pior do que isto, assim ao nível do cansaço mental, do desespero de nos sentirmos umas completas incapazes na tarefa de educar um filho e do consequente sentimento de culpa. Os últimos dois anos têm sido, sem dúvida, o maior desafio da minha carreira como mãe. E o pior é que vai continuar e, provavelmente, ainda vai piorar, porque a adolescência do primeiro está longe de terminar e, entretanto, o segundo já dá sinais de se querer armar em adolescente. 

Não está fácil.

Uma vez que não há teenblogs, como há babyblogs, isto de ser mãe/pai de adolescentes acaba por ser muito solitário. Aqui estamos nós, apavorados com o que nos está a acontecer, mas achando que somos os únicos a passar por isto, que todos os outros pais estão felizes e contentes e só nós é que nos sentimos miseráveis. Visto de fora, a mim parece-me sempre que os filhos dos outros dão muito menos chatices do que os meus. 

É por isso que me sinto mais apaziguada quando encontro alguns artigos que me ajudam a desdramatizar um pouco os meus problemas - que, vendo bem, não são assim tão graves - e me dizem que isto que está a acontecer com o meu filho e comigo é, afinal, algo bastante normal.

Por exemplo, estes artigos:

Be prepared, give them space, let them fail: how to survive the terrible teens (no The Guardian)

Jaume Funes: "Educar um adolescente é dar-lhe autonomia e fazê-lo aprender a gerir riscos" (no DN)

Claro que as dúvidas e as preocupações continuam cá todas. E as respostas tortas dele e as discussões entre nós também. Mas ao menos, ao ler isto, não me sinto a pior mãe do mundo. E até consigo reconhecer que estou a fazer algumas coisas bem feitas e que, a seu tempo, hão de dar os seus frutos (hopefully).

E, assim, continuamos na luta. Nesta montanha-russa.

publicado às 22:13


3 comentários

Imagem de perfil

imsilva 11.10.2019

Um dia tive respostas tortas dos meus três filhos, cada um no seu momento. Não tendo sido nada de grave, fiquei afectada, e daí saiu isto: https://imsilva.blogs.sapo.pt/1902.html
Sem imagem de perfil

Alexandra 11.10.2019

Vivo muito esta realidade. Ser mãe de um(a) teen é um desafio diário grande, com pouco "glamour" e as "traquinices" não dão nenhuma vontade de rir, ao contrário do que acontece com uma criança pequena. Penso que não existem "teenblogs" pois nenhuma marca saudável se quereria juntar ao que os pais de um teen sentem.
Respiramos nas conversas interessantes, no humor refinado ou naqueles raros abraços de que temos tantas saudades. Vai passar antes dos 80 anos, penso tantas vezes...
Imagem de perfil

Mamã Gansa 02.11.2019

O blogue que partilho com a minha filha Crónicas de uma filha atrapalhada pretende ser um teenblog. Não te sintas só.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor