Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


13
Set20

Tempos modernos

A Modern Man, de George Carlin

“I’m a modern man, a man for the millennium. Digital and smoke free. A diversified multi-cultural, post-modern deconstruction that is anatomically and ecologically incorrect. I’ve been up linked and downloaded, I’ve been inputted and outsourced, I know the upside of downsizing, I know the downside of upgrading. I’m a high-tech low-life. A cutting edge, state-of-the-art bi-coastal multi-tasker and I can give you a gigabyte in a nanosecond!
I’m new wave, but I’m old school and my inner child is outward bound. I’m a hot-wired, heat seeking, warm-hearted cool customer, voice activated and bio-degradable. I interface with my database, my database is in cyberspace, so I’m interactive, I’m hyperactive and from time to time I’m radioactive.
 
Behind the eight ball, ahead of the curve, ridin the wave, dodgin the bullet and pushin the envelope. I’m on-point, on-task, on-message and off drugs. I’ve got no need for coke and speed. I've got no urge to binge and purge. I’m in-the-moment, on-the-edge, over-the-top and under-the-radar. A high-concept, low-profile, medium-range ballistic missionary. A street-wise smart bomb. A top-gun bottom feeder. I wear power ties, I tell power lies, I take power naps and run victory laps. I’m a totally ongoing big-foot, slam-dunk, rainmaker with a pro-active outreach. A raging workaholic. A working rageaholic. Out of rehab and in denial!
 
I’ve got a personal trainer, a personal shopper, a personal assistant and a personal agenda. You can’t shut me up. You can’t dumb me down because I’m tireless and I’m wireless, I’m an alpha male on beta-blockers.
 
I’m a non-believer and an over-achiever, laid-back but fashion-forward. Up-front, down-home, low-rent, high-maintenance. Super-sized, long-lasting, high-definition, fast-acting, oven-ready and built-to-last! I’m a hands-on, foot-loose, knee-jerk head case pretty maturely post-traumatic and I’ve got a love-child that sends me hate mail.
 
But, I’m feeling, I’m caring, I’m healing, I’m sharing-- a supportive, bonding, nurturing primary care-giver. My output is down, but my income is up. I took a short position on the long bond and my revenue stream has its own cash-flow. I read junk mail, I eat junk food, I buy junk bonds and I watch trash sports! I’m gender specific, capital intensive, user-friendly and lactose intolerant.
 
I like rough sex. I like tough love. I use the “F” word in my emails and the software on my hard-drive is hardcore--no soft porn.
 
I bought a microwave at a mini-mall; I bought a mini-van at a mega-store. I eat fast-food in the slow lane. I’m toll-free, bite-sized, ready-to-wear and I come in all sizes. A fully-equipped, factory-authorized, hospital-tested, clinically-proven, scientifically- formulated medical miracle. I’ve been pre-wash, pre-cooked, pre-heated, pre-screened, pre-approved, pre-packaged, post-dated, freeze-dried, double-wrapped, vacuum-packed and, I have an unlimited broadband capacity.
 
I’m a rude dude, but I’m the real deal. Lean and mean! Cocked, locked and ready-to-rock. Rough, tough and hard to bluff. I take it slow, I go with the flow, I ride with the tide. I’ve got glide in my stride. Drivin and movin, sailin and spinin, jiving and groovin, wailin and winnin. I don’t snooze, so I don’t lose. I keep the pedal to the metal and the rubber on the road. I party hearty and lunch time is crunch time. I’m hangin in, there ain’t no doubt and I’m hangin tough, over and out!”
 
 
Descobri este texto através de um vídeo no Instagram do Ivo Canelas. Não conhecia o George Carlin, humorista que morreu em 2008, e ainda perdi algum tempo ver alguns dos seus sketches no YouTube. Tem algumas coisas muitos boas, outras nem por isso. Mas este Modern Man é qualquer coisa.
A propósito, fiquem a saber que Ivo Canelas está de volta com o espectáculo Todas as Coisas Maravilhosas. E já há sessões esgotadas. Eu já vi, mas gostei tanto que já comprei bilhetes para ir ver outra vez. 

publicado às 16:57

Ela é Hannah Gadsby, a humorista que nos deu Nanette e que agora nos dá Douglas. O programa é todo bom mas as lições sobre história da arte são, para mim, a parte melhor. 

publicado às 15:58

image.jpgSão dois pequenos livros de banda-desenhada, intitulados Gravidez e Quotidiano de Luxo, de autoria de Júlia Barata, e que falam de ninharias, ou seja, da vidinha de todas nós, as que fazem contorcionismo entre a vida e o trabalho e os filhos. Porque não podemos perder a capacidade de rirmos disto tudo e de nós mesmos, ainda quando parece improvável que o façamos. Explico tudo AQUI.

publicado às 20:07

23
Nov18

Uma alegria

content.jpg

Do Baby Blues.

publicado às 08:49

Trevor Noah tinha cinco anos quando Nelson Mandela foi libertado. Ou seja, quando ele nasceu a África do Sul vivia no sistema de apartheid e quando ele era um adolescente o país estava ainda a viver momentos conturbados a tentar aprender a democracia. São as memórias desse tempo que o apresentador de televisão e humorista, atualmente rosto do programa The Daily Show, conta na sua autobiografia, intitulada Sou um Crime, que é agora publicada em Portugal.

Hoje escrevo no meu jornal sobre o livro do Trevor Noah. Foi uma boa surpresa. E é uma lição. Para nós todos. Para mim, mãe que ainda hoje se zangou com o seu adolescente por causa da escola (como se a nota de fisica-química fosse assim tão determinante para o seu futuro). Sabem quando se diz que o mais importante é o amor, o exemplo e os valores que damos aos nossos filhos? Há casos em que isso é verdade. (Mas como é que nós sabemos que o nosso é um desses casos?)

Tantas dúvidas. 

350x.jpg 

publicado às 21:44

Recomeçámos. Despertador. Aulas, explicações, treinos, festas de anos, jogos de futebol, trabalhos de casa, trabalhos de grupo, testes. Estou a tentar levar isto com calma. Mesmo. E a primeira semana correu com tranquilidade. Apesar dos nervos do Pedro que agora está na escola dos grandes, onde tudo é novo. Apesar dos avisos ao António para ver se aquela cabeça atina. Apesar das queixas dos miúdos que acham uma injustiça tremenda não poderem jogar Fortnite durante a semana. Cá vamos. Sem grandes dramas, para já.

Na semana passada tive oportunidade de conhecer duas famílias que optaram pelo ensino doméstico e confesso que tive um pouco de inveja. Claro que eu nunca seria capaz de fazer uma opção dessas - porque de facto eu não seria feliz a ensinar os meus filhos em casa e porque gosto muito do meu trabalho (já nem falo da parte financeira da coisa) - mas senti uma certa inveja da falta de pressão, do modo como aqueles miúdos estudam sozinhos, da curiosidade que têm pelo mundo, de não terem de ficar sentados a ouvir um professor durante tantas horas por dia.

O ideal para mim não seria o ensino doméstico mas seria ter uma escola melhor. Cada vez mais me convenço que esta escola que temos não presta. Está ultrapassada. Não é boa para os miúdos. Não lhes ensina as coisas que realmente importam. E, sim, os meus filhos podem não ser grande exemplo, mas eu digo que esta escola não é boa até mesmo para os bons alunos, aqueles que se portam bem e se esforçam e tiram boas notas - e ainda assim penso que é um desperdício que passem tanto tempo em explicações e a decorar coisas com nomes complicadíssimos quando poderiam estar a aprender a pensar e a perceber o mundo. Se a maioria dos alunos precisa de explicações extra para conseguir tirar boa nota a matemática, e mesmo assim com que dificuldade, é porque algo está mesmo muito errado na escola que temos. Isto acontece não tanto na primária, onde há escolas públicas e privadas realmente boas, mas sobretudo do 5º ao 9º ano (ainda não tenho conhecimento suficiente sobre o secundário para me poder pronunciar), onde as metas, os currículos, as matérias, a organização da escola, tudo é demasiado rígido e demasiado formatado e demasiado burocrático. Demasiado antiquado e chato. Demasiado castrador das qualidades e potencialidades dos alunos. E até demasiado inútil.

A propósito, leiam este texto que levanta muitas questões pertinentes.

Mas, bom, aqui estamos. No início de mais um ano lectivo e sem grande opções à vista.

Respiremos fundo. 

Darei o meu melhor, como sempre, para fazer com que isto resulte.

baby.jpg

Baby Blues, claro.

publicado às 19:44

30
Jul18

Nanette

Há um momento, a meio do espetáculo de stand-up comedy Nanette, em que as gargalhadas deixam de se ouvir. Nem um aplauso. Nem sequer um daqueles risos envergonhados. Nada. Só o silêncio na enorme sala da Ópera de Sydney enquanto Hannah Gadsby, de 40 anos, conta como foi crescer na Tasmânia onde 70% das pessoas achavam que a homossexualidade era não só um pecado como deveria ser considerada um crime - como aconteceu até 1997. Conta como disse à mãe que era lésbica mas nunca, até agora, teve coragem de contá-lo à avó porque, apesar de fazer espetáculos onde fala abertamente sobre o assunto, no seu íntimo continua a sentir vergonha. Conta como foi violada por duas vezes e como foi espancada por um homem por ser, como ele lhe chamou, “uma aberração” e “uma paneleira de merda”. Conta como construiu uma carreira “à base do humor autodepreciativo”, humilhando-se voluntariamente em público, e como não quer continuar a fazê-lo. “Vou deixar a comédia”, anuncia, sabendo que é um paradoxo irresolúvel e até risível isso de se anunciar que se vai deixar a comédia a meio de um espetáculo de stand-up comedy.

“Quando saí do armário, a única coisa que sabia fazer era ser invisível e odiar-me. Demorei dez anos a perceber que podia ocupar um espaço no mundo mas, nessa altura, já o tinha transformado em piadas, como se não fosse nada de importante. Agora, preciso de contar a minha história como deve ser”, explica. Contar uma história com princípio, meio e fim; não em forma de piada. Porque “o riso é só o mel que adoça o remédio amargo”. O riso não é a verdadeira cura, percebeu.

E, já que estamos a ser sinceros, vamos lá falar de preconceitos e misoginia e machismo e de todas as outras mulheres que desde que o mundo é mundo são alvo de abusos vários. Vamos lá falar de Weinsten, de Bill Clinton, de Picasso. Também questionar o que é isso de fazer um "humor lésbico" e o que é isso de ser artista (toda a história em volta do Van Gogh é deliciosa). Nos momentos em que este ainda é um espetáculo de stand-up comedy, Hannah Gadsby é uma das mais corrosivas e certeiras humoristas que andam por aí e não é por acaso que Nanette se estreou em 2017 e ganhou prémios em vários festivais de humor até, em junho passado, chegar à Netflix e se tornar um verdadeiro fenómeno global. Nanette é também por isso uma lição de alguém que domina perfeitamente a arte da comédia e que decide desconstruí-la ali, à nossa frente. Pôr-nos a rir desbragadamente. E depois calar-nos. 

Na sexta-feira, em Montreal, Hannah Gadsby apresentou Nanette pela última vez. Ou pelo menos é o que ela diz. Se vai deixar a comédia? Isso não é importante. E o mais provável, ela já o admitiu, é que não desista. Mas talvez procure outros caminhos. “Não há nada mais forte do que uma mulher destruída que se reconstruiu”, avisa. Essa é a grande lição deste espetáculo. O que nos faz continuar, o que nos permite sobreviver é a ligação aos outros. Essa é a sua última palavra em palco: connection. Como quem diz: amor.

Este texto é uma adaptação de um texto que publiquei no passado domingo do DN.

Sobre Hannah Gadsby há muito para ler na internet. Aconselho-vos:

Entrevista à Vulture, em janeiro

Um texto da própria Hannah 

Este artigo no The Lily

publicado às 19:12

baby.gif

Eles crescem. No Baby Blues e cá por casa também. Tem sido uma aprendizagem para todos nós.

publicado às 00:01

23
Set17

Silêncio

readingmom.gif

A propósito do post anterior, mais uma tira do Baby Blues. Quando eles crescem é mais fácil mas é muito necessário, mesmo quando são pequenitos, ter alguns momentos de sossego. 

Tags:

publicado às 09:25

24
Abr17

São fases

Estou numa daquelas fases em que nada me parece suficientemente interessante para ser escrito aqui ou então é demasiadamente importante para ser aqui escrito.

baby3.gif

 

baby2.gif

 

baby1.gif

Do sempre fantástico Baby Blues

publicado às 15:46


Mais sobre mim

foto do autor