Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Quando a habitação deixa de ser vista como um lar de alguém e passa a ser vista como "um activo financeiro", as pessoas deixam de ser vistas como pessoas e passam a ser empecilhos, obstáculos a grandes negócios, gente sem nome que é preciso expulsar rapidamente para se poder ganhar mais dinheiro. É isto que está a acontecer actualmente em Lisboa: aquilo que devia ser um direito básico de qualquer pessoa passa a ser um luxo apenas acessível a alguns. E, por arrasto, estraga-se uma cidade.

Não sou muito adepta de discursos radicais, não venho aqui dizer que as casas deveriam ser gratuitas e que toda a gente tem direito a um T3 no Saldanha. Mas há mínimos. E esses mínimos estão a ser ultrapassados em Lisboa, onde o boom turístico, a especulação imobiliária, o crescimento dos mercados do "arrendamento curto" e do luxo, a falta de regulamentação e a muita corrupção estão a pôr em causa a capacidade de muitas pessoas para pagar uma casa. E, reparem, eu já nem estou a dizer para terem uma casa. Não se trata sequer de ser proprietário (ainda que eternamente devedor ao banco). Trata-se apenas de conseguir pagar a renda de uma casa para morar. E já nem estou a falar do direito a permanecer na casa ou no bairro onde sempre moraram, junto das pessoas que conhecem, integrados na sua comunidade. É mesmo só ter um teto, sabem?, uma cozinha, um esquentador, essas coisas básicas.

É disto que fala o filme O que vai acontecer aqui?, do colectivo Left Hand Rotation, que estreou esta semana no DocLisboa mas que está disponível na íntegra online. Este é o trailer:

Eu sei que ao verem este filme algumas pessoas vão achar que esta realidade não é a sua. Às vezes temos dificuldade em sair do nosso lugar de privilégio. Mas é necessário que o façamos. Pois a verdade é que já não estamos só a falar de uma margem da sociedade, estamos a falar de trabalhadores (se preferirem, da classe média). De pessoas que vivem do seu ordenado num país onde o salário mínimo é de 600 euros e o ordenado médio é de 943 euros (brutos). E mesmo que ganhem um pouco mais é complicado. Já viram os preços das casas? 

Se pensam que ficar sem casa é coisa que acontece só aos outros, imaginem o que seria se, um dia, a empresa onde trabalham entrasse em falência e ficassem desempregados aos 40 anos, ou se se divorciassem e tivessem que procurar uma outra casa e pagar a renda (e todas as outras despesas) sozinhos, ou se, de repente, for a vossa a casa a ser vendida para ser transformada num hostel.

Ou até uma situação menos dramática: todos nós conhecemos histórias de pessoas que, nos últimos anos, tiveram de sair da sua casa devido ao súbito aumento da renda. Deixaram o centro da cidade e mudaram-se para as periferias, para os arredores, para a outra banda, para algum sítio onde os preços das casas ainda são acessíveis - até deixarem de ser, porque a lei do mercado funciona assim e quando a procura aumenta os preços também aumentam. E também não sei se já ouviram falar da falta de professores nas escolas da Grande Lisboa - porque é tão caro mudar para aqui que, feitas as contas, os professores preferem ficar onde estão, sem trabalhar e sem receber o seu miserável ordenado.

Isto está tudo ligado. Os velhinhos da Mouraria e os professores que não querem vir para Lisboa são todos vítimas desta mesma situação. Estamos todos a ser expulsos da cidade. E ainda só estou a falar das pessoas, mas não podemos deixar falar das consequências disto para as cidades.

Sobre esse assunto, porque isto não está a acontecer só em Lisboa e porque é mesmo algo que nos devia preocupar, aqui fica mais um trailer de um filme que ainda não estreou em Portugal e ainda não vi mas sobre o qual estou bastante curiosa: Push, de Frederik Gertten.

publicado às 17:53


4 comentários

Imagem de perfil

Maria Araújo 12.11.2019

E o problema é que muitas outras cidades estão a fazer o mesmo.
Aqui em Braga não há o turismo de Lisboa ou Porto,mas os preços de mercado estão insuportáveis quer para compra, quer para arrendamento.
Muito bom, este post.
Perfil Facebook

Bruno Ervedosa 12.11.2019

Olá, sou técnico de turismo e partilho a mesma opinião que muitos outros técnicos têm sobre o boom turístico: está a diminuir a qualidade das ofertas turísticas.
Não li o teu texto na integra, mas do que li percebi que é mais do mesmo que se tem debatido ao longo dos últimos anos, com a abertura ao investimento no turismo em espaços que não têm qualquer condição para ser uma alternativa aos hotéis, pensões e hostels. O Alojamento Local é um perigo económico que está a minar e ninguém quer parar de minar. Claro que haverá o dia em que ouviremos outro tipo de boom.
O problema é que os nossos dirigentes não estão a promover o nosso turismo qualitativamente, mas quantitativamente, o que é um erro enorme e que já se viu em muitos países que apostaram em turismo de massas. A qualidade do turismo não passa por aumentar a oferta, mas por melhorá-la, algo que não se vê em Portugal.
Imagem de perfil

Margarida 12.11.2019

Infelizmente esta é a realidade, mesmo na periferia o valor das casas já é altíssimo.
Os jovens que pretendem arranjar casa é--lhes impossível com os ordenados que têm.
Imagem de perfil

Salvador 12.11.2019

No Porto infelizmente cada vez é mais assim. Onde as pessoas que toda a vida viveram nas suas casas estão a ser levadas para bairros na periferia onde são esquecidas até que um dia o bairro em si se torne um problema. Parece que não aprendemos com o que se passa lá fora. Enquanto isto, o centro do Porto está cada vez mais bonito e airoso com as fachadas a serem recuperadas e cheio de turistas a desfilar por ruas e a olhar para casas vazias.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor